Tudo sobre transplante capilar

Técnicas de transplante capilar FUE e FUT

Há duas técnicas de transplante capilar: a FUE (Follicular Unit Extraction) e a FUT (Follicular Unit Transplantation). Nesta, extrai-se uma faixa de couro cabeludo do paciente, com pele e fios, que se separam com microscópio e depois se inserem nas áreas calva; naquela, por microperfurações, sem necessidade de corte, tiram-se os fios um a um, já prontos para reimplante.

PUBLICIDADE


Procedimento de extração dos fios na FUE

Feita a anestesia local, inicia-se a extração dos fios com auxílio de lentes de aumento para realizar as microperfurações com punchs bem finos, de 0,75 até 0,95 mm de espessura. Muitos cirurgiões utilizam um computador específico, como, por exemplo, da marca Cole Instruments, que permite essa retirada com baixíssima perda de fios assim como mínima taxa de transecção.

PUBLICIDADE
hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

Uso associado das técnicas

É possível associar as duas técnicas, principalmente para reparar grandes regiões, isto é, em calvícies de graus 5 ou 6, segundo a escala de Hamilton-Norwood.

Vantagens da FUE

A FUE trouxe muito benefícios à cirurgia da calvície, porque, além de praticamente indolor, o paciente pode, por exemplo, voltar a fazer musculação dois dias após. Outras vantagens são raramente o indivíduo usar analgésicos no pós-operatório e poder rapar o cabelo ou deixá-lo bem curto durante toda a vida, porque as cicatrizes são minúsculas e dificilmente visíveis.

Benefícios da FUE

Entre os benefícios, estão os resultados totalmente naturais, o rejuvenescimento facial e o aumento da autoestima e da confiança.

PUBLICIDADE


Duração do procedimento FUE

Cada sessão da FUE dura de seis a oito horas e alguns médicos fazem questão de, pessoalmente, extrair e implantar todos os fios, para garantir perfeito crescimento das hastes capilares.

Correta indicação médica

Não existe diferença qualitativa entre as técnicas de implante capilar FUE e FUT, posto que são complementares.

Técnica FUE

Pela FUE, rapa-se a cabeça do paciente (daí o pós-operatório ser mais visível) para analisar a angulação de saída dos fios do couro cabeludo e extraí-los de acordo com ela, com a menor transecção possível e maior aproveitamento do número de fios.

Indicação da técnica FUE

Por esta técnica, a remoção das unidades foliculares é mais lenta e, comparada à FUT, oferece 20% a menos de fios do couro cabeludo por sessão, por isso se indica para quem tem calvície de grau 1 ou 2 na escala de Hamilton e para quem não pode afastar-se de atividades físicas, como atletas de alta performance ou professores de academia, além de para pessoas que não se importam de rapar o cabelo e não desejam ter a cicatriz linear da FUT (apesar da sutura tricofítica para camuflá-la bem); diferentemente haverá inúmeras microcicatrizes puntiformes de 0,8 a 1 mm de diâmetro.

Avaliação pré-operatória

A avaliação pré-operatória deve ser criteriosa, com exames bioquímicos e apreciação cardiológica. Também se faz estudo macroscópico e a imagem aumentada permite analisar pormenorizadamente áreas capilares de 1 cm² para investigar possíveis doenças e a qualidade dos fios (se estão sadios) e estimar a quantidade que se pode implantar.

FUT

Primeiramente, marca-se o couro cabeludo, com a linha anterior (na parte superior da testa) irregular e o mais natural possível. Daí, divide-se o couro cabeludo, para, em algumas áreas, se colocarem unidades foliculares com um único fio, em outras, com dois fios e em outras ainda, com três.

Anestesia

A anestesia é local, associada à sedação. Após a cirurgia, a pessoa necessitará de três dias de repouso para retomar as atividades rotineiras.

Preparação das unidades foliculares

Trabalha-se a faixa de couro cabeludo fio a fio, por slivering, para eles se moldarem bem, uma vez que a naturalidade do transplante capilar é essencial.

Procedimento de implante capilar

Utiliza-se a técnica das incisões prévias, que consiste nas marcações e no posterior implante dos fios um a um, ou faz-se o furo e a colocação do fio ao mesmo tempo, até se cobrir a calva.

Duração do procedimento cirúrgico e cuidados pós-operatórios

O procedimento dura de cinco a oito horas, depois do que se faz um curativo que se usa até a noite. Pode-se pernoitar na clínica.

No dia seguinte, um enfermeiro lava os cabelos do paciente com xampu especial e ensina-lhe como proceder, nos trinta dias seguintes, quanto a lavagem e o enxágue dos fios.

Resultados e tratamentos clínicos coadjuvantes

Depois de trinta dias, a tendência é os fios implantados caírem, porém o bulbo capilar originará novos fios, estes permanentes. Pode-se observar o resultado aproximadamente nove meses após a cirurgia.

Há ainda tratamentos clínicos coadjuvantes que, além de cuidar dos cabelos implantados para a aderência ser a mais satisfatória possível, também o fazem com o restante do couro cabeludo.