Testosterona e queda de cabelo

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Alopecia androgenética

95% dos casos de queda de cabelo são devido à alopecia androgenética, que afeta principalmente homens, mas também mulheres.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

A testosterona é produzida em grande quantidade nos testículos do homem e nas glândulas suprarrenais. A mulher também tem testosterona no organismo, produzida pelos ovários, em menor quantidade, porém, algumas podem ter disfunção desse hormônio e desenvolver barba ou bigode, sendo necessário tratamento. Um homem adulto tem 20 a 30 vezes quantia de testosterona da mulher.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

A alopecia androgenética tem origem hormonal e hereditária. Cada pessoa tem marcadores no organismo que determinam onde cada hormônio vai atuar. Muitos hormônios são liberados constantemente no nosso corpo.

Alguns marcadores de testosterona ocupam o couro cabeludo, cuja região anterior, no homem, tem muitos receptores de testosterona. Na região occipital (nuca), existem menos receptores de testosterona.

PUBLICIDADE


A enzima 5-alfa redutase atua sobre a testosterona transformando-a em di-hidrotestosterona, que atua sobre o folículo capilar, encurtando a fase anágena do ciclo capilar. O folículo diminui de diâmetro, e o cabelo miniaturiza e fica mais fino, transformando-se em velo, um pelo pequeno, mais claro que o normal. Chega ao ponto em que o óstio é fechado, o cabelo cai e não cresce mais. Assim, a testa aumenta.

O tratamento capilar deve ser efetuado antes que o folículo se feche totalmente. Enquanto o cabelo é velo, ainda há esperança de melhorar o quadro.

Muitos usam medicamentos como finasterida e dutasterida, que agem sobre a 5-alfa redutase, para que ela não transforme testosterona em di-hidrotestosterona. O ponto negativo é que, como essas medicações mexem na testosterona, em alguns casos – não em grande proporção – podem causar disfunções, principalmente sexuais, como perda de libido.

Artigo anteriorSíndrome pós finasterida: tratamento
Próximo artigoTribulus terrestris e queda de cabelo
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).