Terei que continuar tratando a calvície mesmo após fazer implante capilar?

Atualizado em:

PUBLICIDADE


É necessário manter tratamento clínico para a calvície após o implante capilar?

De acordo com estatística da Organização Mundial de Saúde, cerca de 50% dos homens serão afetados pela queda de cabelo, e desses, 95% pela alopecia androgenética, de caráter hereditário e evolutivo.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

O cabelo transplantando para as regiões calvas não é susceptível à queda, porém, o não transplantado, com receptores de di-hidrotestosterona (DHT), poderão miniaturizar no futuro, por conta disso é necessário tratamento clínico, para encorpar os fios finos.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

Se são transplantados quatro mil fios, num primeiro momento o paciente pode ficar satisfeito, mas, no futuro, por falta de tratamento clínico, perder outros quatro mil que não transplantados.

Portanto, o tratamento cirúrgico não exime o paciente do clínico, mas é lógico que deve ser fundamentado por um diagnóstico, já que a queda de cabelo tem uma série de causas, e a genética é a principal.

PUBLICIDADE


O tratamento clínico da calvície deve fazer parte da vida do paciente, assim como o de qualquer outra patologia crônica, como o diabetes, em que ele faz o tratamento e pode viver bem com a patologia.

Artigo anteriorInsônia e depressão
Próximo artigoTransplante capilar acaba com a calvície?
CRM: 130475. Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008). Residência médica em cirurgia plástica pelo Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (2014-2017). Residência médica em cirurgia geral pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008-2010). Pós-graduação em reconstrução mamária pelo Hospital Pérola Byington (2017-2018). Pós-graduação em dermatocosmiatria pela faculdade de Medicina do ABC Paulista FMABC (2017-2018). Especialização em Oxigenoterapia Hiperárica pela Sociedade Brasileira de Medicina Hiperbárica (2016).