Sete-Sangrias: Benefícios e Como Usá-la

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Sete-sangrias: benefícios e como usá-la

Cuphea é um gênero de plantas com várias espécies, dentre elas a sete-sangrias (Cuphea carthagenensis), utilizada na Europa desde a idade média, nessa época quando uma pessoa tinha pressão alta, era feita a chamada “sangria”: um barbeiro, utilizando uma navalha, fazia um corte no pulso da pessoa, que era colocada em uma banheira de água quente, perdia muito sangue, a pressão arterial dela caía, e antes dela morrer, o barbeiro estancava o sangramento.

Se a pessoa fosse hipertensa, com o tempo a pressão arterial subia novamente e era necessário fazer uma nova sangria.

PUBLICIDADE
cursos sobre plantas medicinais cpt

Ela se chama sete-sangrias porque, neste período, considerava-se que o chá dela valia por sete sangrias – ou seja, sete vezes que a pessoa não precisaria cortar os pulsos, o que mostra a capacidade dela de controlar a pressão arterial.

Ela não é uma planta brasileira, mas se desenvolveu no Brasil, que abriga muitas variedades dela.

PUBLICIDADE


A sete-sangrias é fácil de ser identificada, pois é uma erva (que não cresce muito e nem forma arbustos) com o caule avermelhado e um pouco viscoso. Normalmente ela nasce em lugares sombreados e úmidos, e chega até 40 ou 50cm de altura. Suas flores são bem pequenas e cor-de-rosa.

Ela não tem cheiro específico nem sabor amargo.

cuphea-carthagenensis
Sete-sangrias (Cuphea carthagenensis).

Toxicidade da sete-sangrias

Nenhum dos artigos científicos encontrados apresentou informações que demonstrassem que o uso da planta nas dosagens adequadas (uma colher de plantas picadas para cada xícara de água) seja tóxico ou provoque efeito colateral.

Gestantes devem procurar acompanhamento médico para fazer uso de qualquer planta medicinal.

Benefícios da sete-sangrias

Ação antioxidante

Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Santa Catarina demonstrou que a sete-sangrias exerce potente ação antioxidante, inclusive benéfica para o coração, o que demonstra a capacidade dela de tratar doenças cardiovasculares como a arteriosclerose.

Obesidade e dislipidemia

Outra pesquisa realizada pela Universidade de Itajaí, em Santa Catarina, demonstrou que o uso do chá da sete-sangrias, durante 4 semanas, em animais com uma dieta rica em gorduras, controlou a dislipidemia (acúmulo de gorduras no organismo). Isso demonstra que a planta pode ser utilizada para tratar doenças relacionadas à obesidade.

Controle da pressão arterial

Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais demonstrou que o extrato com álcool de cereais da sete-sangrias tem efeito vasodilatador – ou seja, relaxa os vasos sanguíneos, aumentando o diâmetro deles, assim o sangue circula com maior facilidade, o que reduz a pressão arterial e contribui para o controle dela.

Todavia, nesta pesquisa, o chá (extrato preparado com água quente) da sete-sangrias não teve o mesmo efeito.

No organismo, existe uma proteína chamada angiotensina, que comprime os vasos sanguíneos, causando aumento da pressão arterial. Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais e pela Universidade de Munique, na Alemanha, demonstrou que o uso da sete-sangrias inibe em até 50% a ação da angiotensina, causando vasodilatação e evitando a contração dos vasos sanguíneos, o que é importante para quem tem pressão arterial elevada ou arteriosclerose.

Outra pesquisa, realizada pela Universidade Federal da Grande Dourados, comprovou os mesmos resultados: o uso do extrato alcoólico da planta em animais hipertensos controla a pressão arterial.

Combate à arteriosclerose

Um grupo de universidades do Paraná e do Mato Grosso do Sul fez uma pesquisa utilizando o extrato alcoólico da sete-sangrias, que reduziu o colesterol VLDL e o LDL – considerados ruins para o organismo – e a taxa de triglicerídeos, e aumentou a taxa do colesterol HDL, considerado bom.

Assim, concluiu-se que o extrato alcóolico da sete-sangrias combate e evita a arteriosclerose.

Ação analgésica

A sete-sangrias foi testada pela Universidade de São Paulo e pela Universidade Federal do Paraná. Nos exames, verificou-se que ela exerce ação analgésica, mas não anti-inflamatória.

Para tratar dores de cabeça, entre outras dores, o uso do chá da sete-sangrias pode ser eficiente.

Ação ansiolítica

Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Santa Catarina demonstrou que a sete-sangrias exerce leve ação ansiolítica, ou seja, reduz a ansiedade.

Por conta da ação hipotensora, tomar chá de sete-sangrias causa relaxamento, e a ação ansiolítica dele facilita o sono e ajuda a manter a tranquilidade.

Para crianças que sofrem de ansiedade ou agitação, um chá leve da sete-sangrias pode ser uma alternativa como ansiolítico.

PUBLICIDADE