Queda de cabelo após química

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Queda de cabelo por tratamentos químicos

É comum quem fez tratamentos químicos capilares, como alisamentos ou tinturas, se queixar que depois desses procedimentos a queda capilar aumentou. A química dos alisamentos agride muito os cabelos, que não resistem e começam a quebrar – isso acontece do couro cabeludo para fora, e resulta em fios fraturados –, gerando a impressão de que o cabelo está caindo.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

Cabelos brancos dão caspa

É mito que cabelos brancos dão caspa. Não é porque o fio está despigmentado que propiciará o aumento da dermatite seborreica, popularmente chamada de caspa, para a qual não existe cura, apenas controle. O que causa essa doença não é a cor do fio, e sim a tendência pessoal de manifestar essa dermatose.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

Calvície feminina

A apresentação da calvície nas mulheres é geralmente bastante diferente da dos homens. Nelas há uma rarefação difusa, por todo o couro cabeludo, irradiando da região central, deixando os fios cada vez mais finos e miniaturizados, alargando a risca do couro cabeludo, gerando incômodo estético.

Quimioterapia e queda de cabelo

Existe uma classe de quimioterápicos que interrompem o crescimento de todas as células que estão em multiplicação no organismo, matando-as, e no folículo piloso há várias delas. É isso que motiva a queda abrupta de cabelo, mas passada a fase de ação desse quimioterápico, o cabelo pode voltar a nascer novamente.

PUBLICIDADE


Tratamentos para queda de cabelo

Domiciliares

Hoje, para a calvície há várias opções de tratamento, que variam para cada caso, por exemplo, se é para homem ou mulher, pode-se, inclusive, lançar mão de tratamentos domiciliares, com shampoos, loções e espumas para induzir o crescimento de novos fios.

Realizados em consultório

No consultório, o dermatologista pode lançar mão de técnicas que atingem exatamente onde acontecem as alterações da calvície, como com microinjeções aplicadas no couro cabeludo, com medicações específicas para cada caso. Há também a fotomodulação, em que se acopla um capacete no couro cabeludo do paciente, que emite laser de baixa frequência para influenciar o crescimento de novos fios e engrossar os mais finos.

Existe uma técnica chamada microinfusão de medicamentos na pele (mmp), em que ao mesmo tempo que se faz o microagulhamento com um equipamento específico, injeta-se medicação para melhorar o crescimento dos fios e engrossar os mais finos.

Resultados

A resposta aos tratamentos clínicos para a queda de cabelo, minimamente invasivos – inclusive podendo ser feitos no intervalo do almoço do paciente ou ao final do expediente dele –, geralmente é boa, dispensando a cirurgia.

Muitas vezes o paciente chega com 40 anos de evolução da calvície, e não se consegue amenizar isso em uma única sessão. É necessário recrutar novos folículos para diminuir a queda e avolumar o cabelo, dessa forma, a partir de dois meses já se consegue ver os primeiros resultados.

Contraindicações

Basicamente não há contraindicações para os tratamentos clínicos, porém, investiga-se a possibilidade de fazê-los em cada paciente.

O abafamento do boné faz cair mais o cabelo?

Não é porque abafou o cabelo que ele irá cair mais, mas quando o paciente tem propensão à caspa, usar esse tipo de acessório na cabeça propicia um ambiente favorável ao desenvolvimento da caspa, que pode agir como coadjuvante na queda.

Artigo anteriorRemédio para acabar com a calvície?
Próximo artigoHiperandrogenismo e queda de cabelo
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).