Quanto tempo demora para os cabelos crescerem após transplante capilar?

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Técnicas de transplante capilar

Há duas técnicas de transplante. A primeira é a clássica (Follicular unit transplantation), que compreende retirada da faixa de couro cabeludo. A segunda (Follicular unit extraction), mais atual, fundamenta-se na remoção dos fios com um equipamento chamado extrator de unidades foliculares, constituído de um motor similar ao dos dentistas. Esta técnica é ideal para pequenas calvícies e para quem já passou por duas ou três sessões da convencional e se beneficiaria do implante de apenas algumas unidades, já que, na mesma cirurgia, pela outra se conseguem extrair sete mil fios, e por esta, já que mais trabalhosa, de dois mil e quinhentos a três mil.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

Resultado

A cirurgia de calvície exige paciência, diferentemente da de prótese de silicone em que, uma hora depois da operação, já se observam os efeitos. No transplante capilar, implanta-se a raiz, e os fios começam a crescer após dois meses, em torno de 0,5 cm ao mês. Por isso, como o resultado definitivo só se vê após um ano, deve-se controlar a ansiedade.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais
Artigo anteriorSolução para queda de cabelo
Próximo artigoCirurgia para calvície
CRM: 130475. Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008). Residência médica em cirurgia plástica pelo Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (2014-2017). Residência médica em cirurgia geral pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008-2010). Pós-graduação em reconstrução mamária pelo Hospital Pérola Byington (2017-2018). Pós-graduação em dermatocosmiatria pela faculdade de Medicina do ABC Paulista FMABC (2017-2018). Especialização em Oxigenoterapia Hiperárica pela Sociedade Brasileira de Medicina Hiperbárica (2016).