Quando fazer o implante capilar?

Indicação de tratamento

Se o paciente estiver satisfeito com o tratamento clínico, deve continuar com ele durante três a seis meses antes da cirurgia. Casos com melhora considerável, inclusive a postergam. Por outro lado, se insatisfeita com a perda capilar, a pessoa receberá indicação para o transplante, que restaurará os fios perdidos.

PUBLICIDADE


Indicação de tratamento em pacientes jovens

À maioria dos indivíduos com menos de trinta anos recomenda-se fazer a terapia clínica (que pode retardar a queda principalmente no vértex) e aguardar a estabilização da perda antes de recorrer à cirurgia.

PUBLICIDADE
hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

Condições satisfatórias para a indicação de transplante capilar

Nem todas as pessoas são indicadas para transplante capilar. Alguns homens perdem muito cabelo, inclusive na parte posterior da cabeça, o que, no entanto, é mais comum nas mulheres, que o perdem de forma difusa, até na área doadora. Quanto maior a diferença entre o local doador e o receptor, ou seja, quanto mais cabelo caiu da parte superior do couro cabeludo e menos da de trás, mais se prescreve esse procedimento.

Critérios levados em conta no planejamento da cirurgia

Outro critério que se leva em conta no planejamento da cirurgia é a densidade capilar, isto é, o número de fios que se possui por cm². Quanto maior a densidade, melhor. Também se avalia o diâmetro do fio, que, quanto mais grosso, melhor. Analisa-se também a elasticidade do couro cabeludo, ou seja, o excesso de pele que há na região do osso occipital, de onde se extraem os fios. Quanto maior for ela, maior a largura da faixa que se pode retirar.

Muitas vezes, a quantidade de fios perdidos é alta e não é possível cobrir toda a calva em uma única sessão. Nessas condições, algum tempo depois da cirurgia, reavalia-se a necessidade de mais intervenções.

PUBLICIDADE


Razões pelas quais a região occipital é ideal para a retirada da faixa de cabelo

Os fios normalmente se extraem da região posterior da cabeça, menos sensível à ação hormonal, que torna os cabelos mais finos. Ao tirar esses fios e transplantá-los nas calvas, eles conservam as características de origem, quer dizer, mantêm-se grossos e não caem definitivamente, porque, mesmo que caiam, crescem outra vez, mas sem o risco de afinar. Se, depois da cirurgia, não fizer tratamento clínico, o paciente poderá perder os demais fios, mas os transplantados permanecerão.

Outro motivo de se utilizar a região occipital como área doadora é a elasticidade, segundo a qual é possível remover uma faixa de pele de dimensões consideráveis e deixar sutura fica praticamente imperceptível, a não ser que se rape o cabelo.

Além da reparação capilar com grande naturalidade, pode-se indicar retificação da testa, com novo contorno para homens e mulheres que, apesar de não calvos, podem tê-la mais evidenciada.