Preenchimento facial

Procedimento minimamente invasivo

Como o próprio nome sugere, procedimentos minimamente invasivos são os que agridem o organismo de forma amena. É possível, com eles, deixar satisfeitos os pacientes. Alguns dos mais comuns são peeling, preenchimento e Botox.

PUBLICIDADE


Como são ambulatoriais, ou seja, se podem fazer em consultório, não há necessidade de centro cirúrgico. O ideal é que o médico seja especialista no assunto: ou cirurgião plástico ou dermatologista, habilitados para isso.

Soft lift

O soft lift é um lift leve. Combina o preenchimento com o Botox e serve para diminuir a necessidade do lifting facial.

Resultados

Com o Botox, o resultado ocorre em torno de sete a quinze dias. Já, no preenchimento facial com base de ácido hialurônico, é imediato, ou seja, visível logo após a aplicação.

Não se deitar

Os pacientes não devem deitar-se nas quatro horas seguintes ao recebimento do Botox, para evitar ptose palpebral ou queda do supercílio, contudo não há problema em dirigir ou realizar atividades profissionais.

PUBLICIDADE


Botox, preenchimento e exposição solar

É melhor passar por esses procedimentos à noite. Se, no dia seguinte, aparecerem equimoses ou pontos avermelhados na região, o paciente deve resguardar-se do sol nas primeiras vinte e quatro a quarenta e oito horas. Se isso não for possível, deve aplicar um protetor solar potente, porque os raios solares podem impregnar-se nas equimoses e deixá-las roxas por mais tempo.

Reações alérgicas

Reações alérgicas ao Botox são raras e o preenchimento com ácido hialurônico é muito seguro, mas há referências a procedimentos à base de polimetilmetacrilato, que levaram complicações a alguns pacientes.

Fumantes

Por ser minimamente invasivo, esse processo é um dos poucos que se podem efetuar em fumantes. De qualquer modo, espera-se que a pessoa não fume desregradamente, já que, se está cuidando da pele e do corpo, a primeira providência é abandonar o vício, porque o cigarro faz diminuir o oxigênio na microcirculação e, dessa forma, acelera o envelhecimento, faz a pele ficar mais flácida e o número de rugas ampliar-se.

Preenchimentos de rugas e sulcos

Muito procurados, os preenchimentos de rugas e sulcos são de dois tipos.

PMMA

O preenchimento com polimetilmetacrilato (PMMA), de mais peso molecular e densidade, indica-se para áreas maiores, como a maçã do rosto, e para quem tem rosto fino e quer avolumá-lo para proporcionar jovialidade à pele. Aplicá-lo na região do malar deixa as bochechas mais proeminentes e com aparência de mais saudáveis.

Para quem tem sulco nasogeniano profundo, o PMMA pode ser boa opção. Classifica-se como definitivo porque, de acordo com o grau de envelhecimento da pele, dura até dez anos, a não ser que a pessoa seja fumante ou se exponha a muito sol.

Ácido hialurônico

O preenchimento com ácido hialurônico destina-se às rugas mais finas do entorno dos olhos, do contorno facial e do lábio.

Resultados

Muito empregados, ambos estimulam, no rosto, a produção de colágeno e elastina e conferem aspecto jovial sem exagero.

Artigo anteriorTransplante capilar substitui o tratamento clínico da calvície?
Próximo artigoPreenchimento labial e facial
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).