O Que Faz Ocorrer Queda de Cabelo?

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Como ocorre a queda de cabelo

A alopecia pode afetar cabelos ou pelos de outras partes do corpo, e embora mais prevalente em adultos mais velhos, ela também pode acometer crianças.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

De acordo com a Kids Health, é normal perder entre 50 e 100 cabelos por dia. Como em média há cerca de 100.000 cabelos na cabeça, essa pequena perda não é perceptível, porém, nem sempre um novo cabelo substitui o perdido. A perda de cabelo pode se desenvolver gradualmente ou de forma abrupta, e pode ser permanente ou temporária.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

Você pode estar perdendo mais cabelos do que o normal se notar uma grande quantidade deles no ralo depois de lavá-los ou na escova, ou áreas rarefeitas no couro cabeludo.

Se perceber que está perdendo mais cabelo do que o normal, procure um especialista para que ele investigue a causa disso e sugira planos de tratamento adequados.

PUBLICIDADE


O que causa queda de cabelo?

A causa mais comum de perda de cabelo é a calvície hereditária, masculina ou feminina. Quem tem histórico familiar de calvície, geralmente tem mais chances de desenvolver a doença, que pode começar logo na puberdade, desencadeada pela ação de hormônios sexuais.

queda-de-cabelo-por-queEm alguns casos, a perda de cabelo pode ocorrer com uma interrupção no ciclo de crescimento capilar. Doenças graves, realização de cirurgias, eventos traumáticos, alterações hormonais associadas à gravidez e ao parto, descontinuação do uso de pílulas anticoncepcionais e a menopausa, podem causar queda de cabelo temporária, porém, nesses casos o cabelo geralmente volta a crescer sem que seja necessário tratamento.

Condições médicas que podem causar perda de cabelo incluem doenças da tireoide, alopecia areata (doença autoimune que ataca os folículos pilosos) e infecções do couro cabeludo como micose. Doenças que resultam em cicatrizes, como o líquen plano e alguns tipos de lúpus, podem resultar em perda permanente de cabelo.

A perda de cabelo também pode ser devido à administração de medicamentos usados para tratar o câncer, pressão alta, artrite, depressão e problemas cardíacos.

Traumas físicos ou emocionais, decorrentes, por exemplo, de morte na família, perda extrema de peso ou febre alta, podem desencadear uma perda capilar perceptível.

Quem tem tricotilomania tem compulsão por arrancar cabelos, sobrancelhas ou cílios. A alopecia por tração pode ser devido a penteados que exerçam pressão demasiada sobre os cabelos, puxando-os com muita força.

Uma dieta sem proteínas, ferro e outros nutrientes também pode levar a queda de cabelo.

Como é diagnosticada a queda de cabelo?

Se persistente, muitas vezes a queda de cabelo indica um problema de saúde subjacente, o que pode ser determinado com base em exame físico e análise do histórico de saúde do paciente. Em alguns casos, mudanças dietéticas podem ajudar, juntamente com a substituição de medicamentos prescritos.

Se o dermatologista suspeitar de doença autoimune ou de pele, poderá fazer uma biópsia do couro cabeludo – o que necessita da remoção cuidadosa de uma pequena seção de pele para testes de laboratório. O crescimento do cabelo é um processo complexo, portanto, pode levar mais tempo do que o esperado para determinar a causa exata da queda capilar.

Opções de tratamento para queda de cabelo

Remédios

Minoxidil

Medicamentos geralmente compõem a primeira linha de tratamento para a perda capilar. Os que não exigem receita geralmente consistem de cremes e géis aplicados diretamente no couro cabeludo. Os produtos mais comuns têm um ingrediente chamado minoxidil, cujos efeitos colaterais incluem irritação do couro cabeludo e crescimento de pelos em áreas adjacentes dele, como testa ou rosto.

Finasterida

Alguns médicos prescrevem a medicação oral finasterida, que muitas das vezes deve ser tomada diariamente para retardar a calvície de padrão masculino. Efeitos colaterais raros deste medicamento incluem diminuição da libido e função sexual prejudicada, além do que, pode haver ligação entre o uso dele e um tipo de câncer de próstata de rápido crescimento.

Corticoides

Para que tem alopecia areata o médico pode prescrever corticoides – que mimetizam os hormônios produzidos pelas glândulas suprarrenais – como a prednisona, para reduzir a inflamação e suprimir a ação do sistema imunológico.

Possíveis efeitos colaterais desses medicamentos incluem:

glaucoma, uma coleção de doenças oculares que podem resultar em danos ao nervo óptico e perda da visão

  • retenção de líquidos e inchaço nas pernas
  • aumento da pressão arterial
  • catarata
  • aumento do açúcar no sangue

Há evidências de que o uso de corticoides também pode aumentar o risco de:

  • infecções
  • perda de cálcio dos ossos, o que pode levar à osteoporose
  • pele fina e maior facilidade para desenvolver hematomas
  • dor de garganta
  • rouquidão

Procedimentos médicos

Ocasionalmente medicamentos não são suficientes para impedir a calvície, e existem procedimentos cirúrgicos para tratá-la.

Cirurgia de transplante capilar

O implante capilar move pequenas porções de pele, cada uma com alguns pelos, para partes calvas do couro cabeludo. Isso funciona bem para quem tem alopecia androgenética, uma vez que muitas dessas pessoas perdem cabelo no topo da cabeça. Esse tipo de perda de cabelo é progressivo, e pode ser indicado fazer mais de um transplante capilar ao longo do tempo.

Cirurgia de redução do couro cabeludo

Nesse procedimento o médico remove parte do couro cabeludo que não tem cabelo, e em seguida fecha a área com um pedaço do couro cabeludo que tem cabelo. Outra opção é uma aba, na qual o cirurgião dobra o couro cabeludo que tem cabelo sobre um remendo careca. A expansão do tecido também pode cobrir áreas carecas, e requer duas cirurgias. Na primeira o cirurgião insere um expansor de tecido sob uma parte do couro cabeludo que tenha cabelo e seja vizinho de uma área calva. Após várias semanas, o expansor provoca o crescimento de novas células da pele. Na segunda cirurgia, o cirurgião remove o expansor e coloca a nova pele com cabelo sobre a calva.

Alguns riscos desses tratamentos cirúrgicos são:

  • crescimento desigual de cabelo
  • sangramento
  • cicatrizes largas
  • infecção

Como prevenir a queda de cabelo

Não use penteados apertados como tranças, rabos de cavalo ou coques que exerçam muita pressão sobre o cabelo. Com o tempo, isso pode danificar permanentemente os folículos pilosos.Tenha uma dieta equilibrada, com quantidades adequadas de ferro e proteínas.

A menos que você tenha cabelos extremamente oleosos, considere lavá-los apenas a cada dois dias.

Exemplos de produtos e utensílios que podem aumentar a perda capilar são secadores, chapinhas, alisadores, tinturas, agentes branqueadores, permanentes e relaxantes.

Se for pentear o cabelo com ferramentas aquecidas, faça isso apenas quando ele estiver úmido ou seco, e utilize esses equipamentos nas configurações mais baixas possíveis.

Artigo anteriorTransplante de Cabelo: O Que Esperar Após a Cirurgia?
Próximo artigoUsar Chapéu Causa Queda de Cabelo?
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).