PMMA

Uso correto e seguro do PMMA

Apesar de estigmatizado, por problemas divulgados pela mídia, o PMMA é seguro se aplicado corretamente.

PUBLICIDADE


Para preenchimento permanente no rosto de um paciente, o médico precisa ter prática significativa. Apesar de se poder remover o produto após a inserção, esse processo é complexo e, por isso, nunca deve ultrapassar o volume ideal.

O tratamento é gradativo, com reposições conforme a necessidade. O paciente passa por uma sessão a cada trinta dias e, após análise, podem-se fazer ajustes.

Cuidados prévios à aplicação do PMMA

No dia da aplicação, o indivíduo não pode estar com nenhuma infecção no local ou apresentar problema de saúde fora de controle. Ele permanece acordado durante o tratamento e, inclusive, participa e opina. Em cidades de grande porte, como São Paulo e Rio de Janeiro, mais de 50% dos pacientes passam por essa intervenção no mesmo dia da avaliação médica. O acompanhamento posterior dá segurança ao próprio médico relativamente aos resultados.

Cuidados posteriores à aplicação do PMMA

Há produtos cujo resultado é líquido e outros, sólido. Existe, por exemplo, um para os glúteos cujo efeito, sólido, evita migração do composto sete dias depois. Se o paciente se submeter a uma técnica com metacrilato, solicita-se que não force a região tratada durante sete dias, período em que o produto está ligeiramente moldável. Certas atividades, como dirigir ou trabalhar, podem-se praticar no dia do procedimento, ainda que possa haver edemas nas regiões malar e palpebral. Talvez surja alguma equimose, mas nada que impeça a realização de ações corriqueiras.

PUBLICIDADE


Artigo anteriorDiferenças entre botox e ácido hialurônico
Próximo artigoPreenchimento
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).