O que causa espinhas

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Por que temos espinhas?

Sebo e bactéria

A acne resulta da maior produção de sebo e da bactéria Propionibacterium acnes, que o digere e produz substâncias que levam ao processo inflamatório que a ocasiona. Isso faz a pele aumentar a proliferação das células, que formam rolhas (cravos) no ponto de saída do sebo, o que represa o conteúdo dentro da glândula sebácea e faz surgir a acne.

Fator hormonal

Para a acne sempre há um fator hormonal, que estimula as glândulas sebáceas. Na adolescência, uma variação hormonal natural ativa-a, porém o indivíduo com poros muito dilatados, produção excessiva de sebo e contaminação por bactérias no rosto, terá o período prolongado de acometimento da acne.

Herança genética

O fator genético também é significativo. Assim, filhos de pais ou mães que tiveram acne têm maior predisposição para o problema.

Alimentação

Alimentos ricos em carboidratos podem favorecer o aparecimento da acne, principalmente os refinados, presentes em pães e macarrão, entre outros. Eles modificam a glândula sebácea e ativam a produção de sebo. Os chocolates, em especial os à base de leite, também podem propiciar a acne vulgar.

PUBLICIDADE


Vitaminas e suplementos

A acne pode-se manter após a adolescência, por exemplo, em virtude de desequilíbrio das taxas hormonais, de excesso de vitaminas e de suplementos que, destinados a ganho de massa muscular, podem conter compostos que incitem as glândulas sebáceas a produzir mais gordura e, desse modo, aumentem o número de espinhas no peito e nas costas, caso em que um profissional deve analisar a fórmula do produto para verificar se alguns dos ingredientes está provocando a disfunção.

Aparelhos de barbear

Outra causa é a contaminação bacteriana por aparelhos de barbear que, depois de usados, não se descartam.

Pele normal e seca

Tanto quem tem pele normal como seca pode apresentar acne. No primeiro caso, ela resulta, na maioria das vezes, de estresse emocional. Já, no segundo, justamente por causa dessa característica, a pele fica permeável à ação das bactérias na superfície e desencadeia-se o processo inflamatório. Essas pessoas, quanto mais lavarem ou ressecarem a pele, mais a acne se instala nelas.

Ovários policísticos

É muito comum a acne da mulher adulta (após os trinta anos de idade), geralmente na região do mento, provocada por ovários policísticos.

Não adianta achar que se trata de predisposição genética. É preciso consultar um ginecologista, que prescreverá alguns hormônios para essa acne acabar.

Alguns afirmam que gostariam de passar um creme para eliminar essa acne. Se for de origem hormonal, de nada vale cuidar da pele só topicamente; deve-se atacar a origem do distúrbio.

Como prevenir a acne

Em geral, prevenir a acne não é possível, porém o uso constante de derivados de ácido retinoico na pele de quem apresenta quadro leve retarda ou controla esse problema.

Se as espinhas surgirem, recomenda-se não lavar excessivamente a pele, não comprar medicamentos indicados por amigos ou vizinhos e não cutucá-las, porque isso pode deixar cicatrizes. Produtos inadequados podem irritar a pele e até piorar a acne. Quanto aos cosméticos, deve-se utilizar somente os específicos para a pele em questão e, assim, evitar-se a chamada acne cosmética.

Artigo anteriorMitos e verdades sobre espinhas
Próximo artigoRemédio para espinhas
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).