Novos tratamentos para calvície

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Calvície: novos tratamentos

Hoje sabe-se que também influenciam na calvície: fatores ambientais, microinflamações no couro cabeludo e a ação dos radicais livres. Isso fez com que o tratamento da calvície mudasse. O que se indica agora além do minoxidil – uma das drogas mais aplicadas e antigas para tratar a alopecia androgenética e que possui inúmeros estudos que comprovam a eficácia dela – e do inibidor hormonal (finasterida, dutasterida e fitoterápicos como o saw palmetto), são antioxidantes potentes para combater os radicais livres, e também nutracêuticos que reduzem o processo inflamatório no couro cabeludo.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

Para combater o estresse, existe a terapia capilar em que o paciente vai até a clínica, trata o couro cabeludo e relaxa, assim os níveis de cortisol e o processo inflamatório na raiz do cabelo diminuem.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

Controle o estresse e tenha uma alimentação saudável, rica em frutas, vitaminas, verduras, e se não come carne, consulte um nutricionista para ele lhe balancear todas essas substâncias, essenciais para a saúde dos cabelos.

Fatores de crescimento

Os fatores de crescimento (plasma rico em plaquetas) aceleram o crescimento capilar. Há um concentrado de gordura centrifugado que também tem esses fatores.

PUBLICIDADE


Clonagem de fios

Atualmente consegue-se clonar células capilares isoladamente, porém, não um órgão. O folículo é bastante complexo, há muitas células nele. No Japão, foi feito um experimento que fez nascer pelo no dorso de um rato, porém, isso foi realizado apenas em cobaias não humanas.

O grande problema é como iniciar, controlar e finalizar o processo de clonagem, porque senão pode propiciar um tumor (câncer).

Terapia genética

A terapia genética tenta mudar a reação do folículo piloso à di-hidrotestosterona (DHT), porém, isso pode provocar efeitos colaterais.

Artigo anteriorMulher tem calvície?
Próximo artigoObesidade e queda de cabelo
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).