Murta-de-Jardim: Benefícios e Como Usá-la

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Murta-de-jardim: benefícios e como usá-la

A Murraya paniculata é a espécie mais comum do grupo de plantas que são as murtas-de-jardim, é uma arvoreta muito comum no paisagismo e na arborização urbana – encontrada em jardins e praças por todo o Brasil e muito utilizada para fazer cercas vivas –, com folhas pequenas, brancas e muito aromáticas (principalmente ao cair da tarde). Seus frutos são pequenos e vermelhos, e por serem muito evidentes são procurados por pássaros.

Na Ásia, ela é muito utilizada na medicina tradicional para tratar vários problemas de saúde.

PUBLICIDADE
cursos sobre plantas medicinais cpt

Toxidade da murta-de-jardim

Uma pesquisa realizada no Brasil com as folhas da murta-de-jardim demonstrou que ela pode causar diarreias, mas somente se consumida em doses muito elevadas, e não causa mudanças nos padrões sanguíneos e fisiológicos.

murraya-paniculata
Murraya paniculata.

Outra pesquisa usando a casca do tronco da murta-de-jardim em animais demonstrou que ela pode, em uso prolongado, reduzir a atividade dos testículos e a produção de espermatozoides.

PUBLICIDADE


Com exceção disso, não foi encontrado nas pesquisas científicas qualquer outra contraindicação para o uso da murta-de-jardim. Porém, gestantes, lactantes e crianças devem procurar acompanhamento médico para fazer uso dessa planta.

Benefícios da murta-de-jardim

Ação contraceptiva

Animais fêmeas receberam os extratos da planta, e os óvulos, quando fertilizados, não se fixaram na parede do útero. Isso não significa que a murta-de-jardim seja um anticoncepcional confiável, que possa ser utilizado com 100% de segurança, mas ela reduz a probabilidade de gestação.

Ação antimicrobiana

A planta foi testada na Índia e verificou-se que a dosagem de 500mg do extrato seco dela inibiu o desenvolvimento de vários tipos de bactérias, com resultados muito parecidos – e em alguns casos, melhores – que os de antibióticos convencionais.

Ação analgésica

Uma pesquisa realizada em Bangladesh, demonstrou que os extratos das folhas da murta-de-jardim reduzem a sensibilidade à dor.

Em outra pesquisa realizada em Bangladesh, os animais do teste tiveram redução de 66% na sensibilidade à dor com a administração da murta.

Na índia, nos testes realizados a administração dos extratos alcoólicos de folha de murta reduziu os processos inflamatórios e a sensação de dor.

Controle do colesterol e obesidade

Uma pesquisa realizada na Indonésia demonstrou que os extratos de murta inibem a lipase pancreática, enzima produzida pelo pâncreas que dissolve gorduras.

As gorduras consumidas na alimentação vêm em pacotes grandes, e por isso não atravessam a parede intestinal e não conseguem chegar na corrente sanguínea. A lipase pancreática quebra a gordura em pacotes menores, que então chega à corrente sanguínea.

Se a lipase pancreática não atua, a gordura não entra na corrente sanguínea e é eliminada pelas fezes.

Dessa forma, os extratos da murta-de-jardim reduzem significativamente a absorção de gorduras da alimentação, o que contribui para o controle do colesterol e da obesidade.

Controle da glicemia

Duas pesquisas indianas demonstraram que o uso do extrato das folhas de murta, em uma dosagem de 400mg por quilo de peso, tem capacidade parecida com a da Glibenclamida em controlar a glicemia.

A possível ação dessa planta no controle da glicemia deve estar ligada com o aumento da produção de insulina pelo pâncreas, pois, animais não-diabéticos tiveram hipoglicemia ao consumirem extrato de murta. Se eles não tinham diabetes e tiveram hipoglicemia, provavelmente houve uma estimulação da produção de insulina pelo pâncreas.

Nessas pesquisas também se verificou redução significativa no índice de colesterol e de triglicérides.

Tratamento da trombose

Uma pesquisa realizada em Bangladesh demonstrou que os extratos de folha de murta reduziram em 28% coágulos sanguíneos de trombose.

Combate à anemia hemolítica

Anemias hemolíticas são aquelas em que os glóbulos vermelhos se rompem e a pessoa entra em um processo crítico de anemia. Uma pesquisa demonstrou que, nesses casos, o uso dos extratos de murta foi muito eficiente, melhorando a estrutura das células e aumentando a estabilidade delas.

Controle da hipertensão arterial

Em uma pesquisa realizada pelo Vietnã e pela Itália, verificou-se que os extratos de murta exercem ação vasorrelaxante, ou seja, dilatam os vasos sanguíneos e facilitam a circulação sanguínea, evitando vários tipos de problemas circulatórios, como hipertensão e arteriosclerose.

Tratamento de nefropatias diabéticas

Nefropatia diabética é o comprometimento dos rins por conta do avanço da diabetes, inclusive com eliminação de proteínas pela urina.

Uma pesquisa realizada pela China demonstrou que os extratos de murta evitam essas nefropatias, protegem a estrutura dos rins e reduzem a excreção de proteínas pela urina.

Ação ansiolítica e antidepressiva

Uma pesquisa realizada na Índia demonstrou que os extratos das folhas de murta, comparados ao Diazepam, tiveram um excelente resultado tanto na estimulação do sistema nervoso central como no tratamento da ansiedade.

PUBLICIDADE