Melão: Benefícios e Como Usá-lo

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Melão: benefícios e como usá-lo

O melão (Cucumis melo) é uma fruta de mesa muito consumida no Brasil. Existem variedades dele pelo mundo, como melão espanhol, melão pele-de-sapo, melão orange, melão japonês, melão gaúcho, melão cantaloupe, etc. Todas têm serventia medicinal, pode haver diferenças entre elas por conta do solo e do clima, por exemplo, mas de modo geral as propriedades encontradas em uma variedade também são encontradas nas outras.

O melão é utilizado há séculos em vários países. Na medicina ayurvedica, por exemplo, ele é utilizado há mais de 1.000 anos para tratar problemas cardíacos, do sistema renal, obesidade e como diurético.

PUBLICIDADE
cursos sobre plantas medicinais cpt

Em muitos lugares do Brasil, se utilizam as sementes do melão, trituradas ou na forma de chá, para fazer vermífugo. Em outras localidades do mundo, o melão é utilizado para controlar diabetes, inflamações e colesterol, entre outros usos.

É um fruto da família das abóboras, da bucha, do melão de-são-caetano, da melancia e de outras plantas, que se espalha na forma de ramas. Normalmente esses frutos são redondos.

PUBLICIDADE


A família dessas plantas é chamada de cucurbitaceae, o termo latim cucurbita significa vaso, fazendo alusão à maioria dessas plantas serem ocas e armazenarem uma grande quantidade de sementes.

Além do uso medicinal, o melão também é altamente nutritivo, pois é rico em pectina, em açúcares saudáveis e em minerais, com zero colesterol e gordura. Consumir melão ou tomar o suco dele repõe várias dessas substâncias importantes para o bom funcionamento do organismo.

cucumis-melo
Meão (Cucumis melo).

Farinha de semente de melão

Costuma-se comer a polpa do melão e jogar o resto fora, porém, as sementes dele também são comestíveis, é possível torrá-las e triturá-las para consumir na alimentação, colocando em sopas, mingaus, vitaminas, para complementar massa de bolos ou panquecas.

Para fazer a farinha de semente de melão, torre as sementes no forno até ficarem crocantes e quebradiças. Bata no liquidificador e peneiro o pó resultante.

Casca do melão

Do melão amarelo, o mais comum no Brasil, retira-se a parte branca interna comestível, e a parte amarela (casca) normalmente joga-se fora, porém, ela também é comestível.

Pode-se bater a casca do melão com água, ela tem um sabor parecido com o da polpa, mas é mais rica que esta em propriedades medicinais. Ela pode ser incluída no suco detox ou em vitaminas.

Outra forma de consumi-la é cozinhando-a e adicionando-a em saladas ou refogados com legumes.

Benefícios do melão

Ação antioxidante

Todas as partes do melão (casca, sementes, polpa do fruto), em especial a rama (folhas e o talo), exercem expressiva ação antioxidante.

Plantas que têm capacidade antioxidante combatem radicais livres, substâncias presentes no organismo que causam envelhecimento precoce, inflamações, doenças crônicas, diabetes e até mesmo câncer.

Ação analgésica e anti-inflamatória

Por conta da ação antioxidante, o melão também exerce importante ação anti-inflamatória e analgésica.

Para fazer o extrato (tintura alcoólica) com as sementes do melão, triture-as, coloque em álcool, deixe repousar durante um tempo e filtre.

Em um estudo realizado com o extrato alcoólico feito com as sementes do melão, em poucos dias de uso ele reduziu os processos inflamatórios em cerca de 50%, e também diminuiu significativamente a dor por conta das inflamações.

Em outro estudo, as sementes do melão reduziram em 60% a inflamação e em 70% a sensação de dor.

Combate à úlcera gástrica

As sementes do melão foram testadas e tiveram excelentes resultados tanto combatendo como prevenindo úlceras gástricas e auxiliando na regeneração da parede estomacal.

Proteção do fígado

O extrato feito com o talo do melão (a parte mais dura do fruto) foi administrado experimentalmente em cobaias para verificar seus efeitos contra problemas hepáticos, como cirrose, fibrose hepática, intoxicações, hepatite, esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado), entre outros.

Ele não somente ajudou a regredir esses problemas como em alguns casos evitou que eles ocorressem, protegendo as células hepáticas.

Combate ao hipotireoidismo

A casca do melão exerce excelente ação contra o hipotireoidismo, pois estimula a atividade da glândula tireoide, aumentando expressivamente a produção hormonal dela.

Combate à obesidade

Em um experimento, cobaias foram alimentadas com uma dieta rica em colesterol e uma variedade pequena do melão, chamada agreste. O esperado era que elas se tornassem obesas.

Porém, elas tiveram redução do colesterol total, do LDL (considerado ruim), dos triglicerídeos na corrente sanguínea e da produção de gorduras pelo fígado (responsável pela produção de mais da metade das gorduras do organismo). Isso demonstra que o melão exerce excelente ação no controle da obesidade e melhora o perfil lipídico.

Controle da diabetes

No Japão, as folhas do melão japonês – que não é doce como o melão amarelo e tem sabor mais parecido com o do pepino – foram testadas para o controle da glicemia, e têm significativa ação hipoglicemiante (reduz os níveis glicêmicos no sangue).

Os extratos feitos com as sementes do melão japonês inibem as enzimas que quebram açúcares grandes, os transformam em glicose e liberam-nos na corrente sanguínea. Com isso, os açúcares continuam nas cadeias longas e interferem menos no índice glicêmico.

As folhas e as sementes de melão, juntas, podem ser um excelente medicamento no controle da diabetes, principalmente da tipo 2.

Controle da hipertensão arterial

Brotos de melão foram testados como anti-hipertensivos e inibem a ação de uma proteína do organismo chamada angiotensina, que comprime os vasos sanguíneos (principalmente as arteríolas, que são artérias de menor calibre) e dificulta a passagem de sangue. Quando o sangue encontra dificuldade para circular, a pressão arterial aumenta.

Quando uma pessoa toma chá, extrato ou come os brotos do melão, inibe-se a ação da angiotensina e, com isso, há redução da pressão arterial.

Ação diurética

As sementes do melão são utilizadas há anos na medicina tradicional indiana, por exemplo, para aumentar o volume de urina e tratar várias doenças renais. Elas foram testadas em comparação à furosemida, um diurético muito popular, e tiveram ação igual ou melhor que a dele.

Ação vermífuga

É possível fazer a farinha com as sementes de melão e incluí-la na alimentação para que ela aja no organismo como vermífugo, combatendo vermes intestinais.

Prevenção da hiperplasia da próstata

A hiperplasia da próstata acomete cada vez mais homens. O extrato alcoólico feito com o fruto do melão inibe o crescimento descontrolado da próstata. O simples consumo diário de melão pode ser eficiente em inibir o desenvolvimento da próstata e é recomendado para quem já passou dos 50 anos e corre o risco de desenvolver hiperplasia da próstata.

Ação anticancerígena

O melão é rico em cucurbitacinas, a A, a B e a E exercem comprovada ação anticancerígena no organismo.

Um extrato preparado com as sementes do melão demonstrou atividade inibitória do desenvolvimento de tumores comparável à do paclitaxel – quimioterápico comercial utilizado no tratamento do câncer –, inibindo células de câncer linfático, do fígado e cervical. Os extratos das sementes do melão também podem ser efetivos contra outros tipos de câncer.

Em outro estudo, o suco do melão inibiu o desenvolvimento de células de câncer de próstata.

Um extrato feito com as ramas do melão foi testado contra o adenocarcinoma e o câncer do fígado, dois tipos de cânceres malignos, e inibiu o desenvolvimento das células tumorais.

Em um estudo, as cucurbitacinas foram separadas do melão e utilizadas contra células de câncer de pulmão e leucêmicas. Elas tiveram excelente ação inibitória do desenvolvimento desses tipos de câncer.

Em outro estudo, as cucurbitacinas isoladas foram testadas contra câncer nas células da glia – que auxiliam no funcionamento dos neurônios, e tendem a desenvolver tumores. Nesse caso, as cucurbitacinas tiveram excelentes resultados, inibindo em grande parte o desenvolvimento das células cancerosas.

PUBLICIDADE