Implante capilar e afastamento do trabalho

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Repouso após implante capilar

No passado, algumas complicações do pós-operatório do transplante capilar eram dor e afastamento prolongado do trabalho, porém, hoje o procedimento demanda afastamento das atividades laborais por no máximo uma semana, e se elas forem puramente administrativas, muitos voltam a exercê-las no segundo dia após a cirurgia, pois no primeiro retornam ao médico para retirar o curativo, entretanto, se houver possibilidade, aconselha-se repousar por mais um ou dois dias em casa.

Sobre a cirurgia

É uma cirurgia tranquila para o paciente, apesar de longa, demandando em torno de 7 a 8 horas, pois é uma manufatura em que se retira fio a fio e estuda-se onde e como colocar cada um deles. A anestesia é local, porém, como a cirurgia é demorada, dá-se um comprimido para o paciente para facilitar que ele durma.

Alguns médicos deixam o curativo nas primeiras doze horas após o transplante, e o retiram no dia seguinte, além de ensinar como lavar a área operada, indicar os produtos que deverão ser utilizados ali, e acompanhar o paciente nos meses seguintes.

Resultados

Num primeiro momento, os cabelos transplantados caem em até 30 dias, e voltam a nascer a partir de 90, crescendo cerca de 1 cm ao mês, dessa forma, há um período em que mesmo fazendo o transplante, continua-se sem cabelos. Seis meses após a cirurgia, o resultado está 60% consolidado, e 100% a partir de doze meses.

PUBLICIDADE


Risco cirúrgico

Para se realizar o transplante deve-se avaliar o risco cirúrgico do paciente, trata-se de uma cirurgia, por isso não pode ser banalizada, e demanda exames como qualquer outra.

Artigo anteriorQuanto tempo dura o tratamento para calvície?
Próximo artigoQueda de cabelo após parar anticoncepcional é normal?
CRM: 130475. Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008). Residência médica em cirurgia plástica pelo Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (2014-2017). Residência médica em cirurgia geral pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008-2010). Pós-graduação em reconstrução mamária pelo Hospital Pérola Byington (2017-2018). Pós-graduação em dermatocosmiatria pela faculdade de Medicina do ABC Paulista FMABC (2017-2018). Especialização em Oxigenoterapia Hiperárica pela Sociedade Brasileira de Medicina Hiperbárica (2016).