Implante capilar: como funciona?

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Cuidados no período pós-operatório

Cada cirurgião tem conduta própria. Umas dessas rotinas compreende a prescrição de medicações (antibióticos e anti-inflamatórios) para reduzir o edema. A drenagem linfática nesse local também o diminui.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

Devem-se usar xampus que não agridam o couro cabeludo durante o pós-operatório, que, se comparado a outros procedimentos, é simples.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

Transplante de cabelo

O transplante capilar consiste na extração de fios das regiões posterior e lateral da cabeça, que, em situação normais (algumas doenças podem provocar perda desses fios), não caem ao longo da vida. A maioria dos calvos perde cabelo na frente, na coroa e, às vezes, em toda a parte superior.

Essa técnica de transplante, consagrada atualmente, foi descrita na década de 1930 no Japão e popularizada nos Estados Unidos na de 1960, portanto é antiga. Depois que nasce, o fio transplantado comporta-se do mesmo modo que se estivesse na parte de trás da cabeça, ou seja, não cai mais.

PUBLICIDADE


Outros métodos foram surgindo para fazer melhorar esse processo, proporcionar maior naturalidade ou cabelo mais parecido com o que a pessoa tinha antes e aperfeiçoar os resultados em calvícies maiores.

Cuidados para fazer um transplante de cabelo

Como em toda cirurgia, é necessário avaliação pré-operatória por um especialista, realização de exames e boa saúde do indivíduo.

Aparentemente, o procedimento parece simples, mas, para se atingir excelência e naturalidade e não se perceber o transplante, é preciso bom número de fios que tragam densidade e processo complexo, feito por equipe com recursos adequados.

Alguns médicos se dedicam somente a esse tipo de cirurgia, outros, embora não façam apenas essa, a têm como uma das principais atividades.

Transplante de cabelo com fios de outra pessoa

É impossível utilizar fios de outra pessoa, porque o organismo os reconhece como corpos estranhos e cria mecanismos de defesa para rejeitar aquela agressão.

Rins ou coração provêm de outra pessoa, mas, para esse transplante ser bem-sucedido, devem-se usar medicações que diminuem a imunidade do paciente, senão também ocorre rejeição. Essa medida faz sentido quando vital, quando alguém necessita disso para sobreviver, porém não se justifica para transplante capilar.

Número de sessões de transplante capilar

A extensão da calvície determina o número de sessões necessárias. Se a área da coroa é pequena, por exemplo, uma única cirurgia resolve o problema. Se houver entradas e calvície mais definida, uma também é suficiente. Se mais avançada, é restrito o número de fios que se conseguem transplantar em sessão única, portanto essa pessoa vai depender de duas a três.

Intervalo entre as sessões

Há pouco tempo, a técnica mais comum de transplante capilar consistia na retirada de uma faixa do couro cabeludo, cuja elasticidade é essencial no momento da sutura para as bordas se aproximarem. Essa área adquire elasticidade novamente oito meses a um ano depois para assim se poderem extrair mais fios.

Após esse prazo, pode-se perceber o resultado da primeira cirurgia. Por mais que o transplante na parte superior da cabeça fique natural, perfeito e com boa densidade, é difícil obter a mesma espessura da lateral. Se após aferir o resultado, o paciente quiser maior abundância capilar, realiza-se novo procedimento.

O ideal é transcorrer um intervalo mínimo de um ano entre uma sessão e outra, porém estratégias podem encurtar esse período.

Momento ideal para o transplante capilar

Quanto mais precocemente se inicia a queda do cabelo, mais rápida e crítica tende a ser a evolução da calvície. Porém, na fase inicial, entre os vinte e os trinta anos, ela ainda estará muito acentuada, razão pela qual é preferível aguardar melhor definição dos locais afetados e tratar clinicamente antes, para, quando a calvície realmente se estabelecer, recorrer-se ao transplante.

Região doadora de fios e implante dos folículos capilares

O transplante capilar é um enxerto para o qual hoje se utilizam áreas doadoras distintas das em que há queda de cabelo, em geral da região posterior da cabeça (ou occipital) do próprio paciente. Removem-se as unidades foliculares que se implantarão onde se sofreu perda delas. Habitualmente o local doador fornece, por centímetro quadrado, de setenta a oitenta fios que, quando implantados, se tornam entre vinte e trinta por centímetro quadrado, ou seja, o resultado fica aquém da densidade original, todavia o que importa é a naturalidade.

Aspectos do procedimento cirúrgico

O transplante capilar, para maior segurança do indivíduo, deve-se realizar em ambiente hospitalar, usualmente com sedação e anestesia local. Para retirada dos folículos, é preciso deitar-se de bruços, mas, no momento do implante, de barriga para cima.

Tempo estimado de operação

O procedimento leva de seis horas a oito horas, a depender do número de unidades foliculares a se implantarem e da área doadora que, quanto mais densa em fios e maior sobra de pele tiver, trará melhores resultados.

Características do fio no pós-operatório

O fator limitante da cirurgia é a própria área doadora, cujos fios não são andrógeno-dependentes, por isso, depois de transplantados, herdarão as características da área de origem e não cairão definitivamente. Na verdade, muitas vezes, após três ou quatro semanas do implante, eles caem, entretanto, porque a raiz está presente no couro cabeludo, voltam a crescer, após três ou quatro meses, de 0,5 a 1 cm ao mês e, por volta do nono, chegam a cerca de 5 cm de comprimento.

Clínicas especializadas em implante capilar

As novas técnicas deixaram os implantes capilares mais naturais e estendem-se até a falhas na barba. No Brasil, até pouco tempo, de cada dez procedimentos como esse, nove faziam-se em centros cirúrgicos de hospitais. Hoje, clínicas especializadas nesse tratamento, por oferecerem todos os cuidados necessários, dispensam internação.

Procedimento de extração dos folículos capilares por meio da técnica FUE (Follicular Unit Extraction)

Trata-se de técnica demorada e artesanal, em que praticamente o paciente não sente dor, em razão da anestesia local. Ele fica sonolento, porém está acordado.

Primeiramente, o cirurgião examina o local doador à procura dos folículos capilares, conjuntos que formam o cabelo da raiz à ponta, no entanto não é qualquer um que serve ao fim desejado.

Para a FUE, criou-se nova ferramenta, amplamente responsável pelo bom resultado e por meio da qual não se corta a parte de trás da cabeça, nem se formam cicatrizes ou falhas capilares. Trata-se do punch motorizado, com ponteira de 0,9 mm de diâmetro, com que se extraem individualmente os folículos, recolhidos com uma pinça por um dos instrumentadores depois de feitas as incisões.

Após cerca de três horas, o paciente muda de posição. Os auxiliares de enfermagem incumbem-se da contagem dos folículos retirados. Para implante de três mil fios, por exemplo, são necessários, ao menos, mil e quinhentos folículos, porque cada um pode conter mais de um fio.

Procedimento de implante capilar

Quatro horas após o início da intervenção, inicia-se de fato o implante fio a fio. O sangramento é mínimo e a dor inexiste. A pessoa sente apenas uma leve pressão, em virtude do contato, imprescindível à colocação dos fios no couro cabeludo.

Perspectivas de inovações futuras no ramo de implante capilar

O próximo passo será a automação da cirurgia. Por mais adequados que sejam os instrumentos de agora, é possível os robôs, que ainda não têm essa capacidade, atingirem a mesma qualidade que os cirurgiões alcançam hoje. Além disso, é provável que, no futuro, se cultivem folículos, assim um único poderá multiplicar-se e permitir preencherem-se grandes áreas calvas com pequenas doadoras.

Pós-operatório

Uma semana após a operação, a região receptora descama, a doadora apresenta aspecto normal e o paciente segue sua rotina.

Como é o feito o transplante de barba e/ou bigode?

Trata-se do mesmo procedimento realizado no couro cabeludo, de preferência utiliza-se a técnica FUE, extraindo fios da região inferior da barba (do pescoço), onde geralmente o paciente raspa. Além de cobrir as falhas da barba, não será mais preciso barbear a região inferior.

A causa da queda da barba ou a falta dela deve ser estudada para averiguar se há indicação do transplante, que existe, por exemplo, para quem tem lábio leporino, já que a cicatriz não tem pelos, e os fios cobrem-na.

Artigo anteriorImplante capilar: cicatriz
Próximo artigoImplante capilar com robo
CRM: 130475. Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008). Residência médica em cirurgia plástica pelo Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (2014-2017). Residência médica em cirurgia geral pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008-2010). Pós-graduação em reconstrução mamária pelo Hospital Pérola Byington (2017-2018). Pós-graduação em dermatocosmiatria pela faculdade de Medicina do ABC Paulista FMABC (2017-2018). Especialização em Oxigenoterapia Hiperárica pela Sociedade Brasileira de Medicina Hiperbárica (2016).