Implante capilar com o robô ARTAS é melhor do que o feito à mão?

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Implante robótico é mais eficaz que o manual?

O implante com o robô ARTAS existe há quase dez anos, e precisa de atualizações. Muitos pensam que o robô transplanta as unidades foliculares, no entanto, ele apenas as retira – no máximo de 800 a 1000 por cirurgia, enquanto o médico faz até quatro vezes isso.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

O ARTAS extrai unidades foliculares apenas de áreas planas da região occipital, não de curvas, ou seja, só trabalha o meio da região occipital, não as laterais, portanto, com ele há uma limitação da região doadora, apesar da extração ser mais eficaz do que a com a mão humana – ainda assim na técnica FUE executada pelo cirurgião o fio que o punch não retirou irá germinar novamente, não será perdido.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

Com o robô o índice de perda de unidades foliculares é menor, entretando, devido ao custo operacional do robô, a cirurgia custa no mínimo três vezes o valor de uma feita sem ele.

A expectativa é de num futuro próximo surjam novos robôs e empresas concorrentes para melhorar o processo e diminuir o custo dele.

PUBLICIDADE


Em resumo, com o robô ARTAS transplanta-se até quatro vezes menos unidades foliculares, há menor perda delas, e o preço da cirurgia custa cerca de três vezes mais.

Artigo anteriorClareamento dental: o que evitar
Próximo artigoCalvície passa de pai para filho?
CRM: 130475. Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008). Residência médica em cirurgia plástica pelo Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (2014-2017). Residência médica em cirurgia geral pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008-2010). Pós-graduação em reconstrução mamária pelo Hospital Pérola Byington (2017-2018). Pós-graduação em dermatocosmiatria pela faculdade de Medicina do ABC Paulista FMABC (2017-2018). Especialização em Oxigenoterapia Hiperárica pela Sociedade Brasileira de Medicina Hiperbárica (2016).