Hipertensão arterial e alimentação

Hipertensão: riscos e sintomas

Hoje, o número de pessoas com hipertensão é muito grande. É uma doença silenciosa. Às vezes a pessoa descobre a hipertensão porque desenvolve uma dor na nuca faz um checkup com um cardiologista. Às vezes o cardiologista mede a pressão no consultório e ela não está alta, mas existem exames de 24 horas para fazer um acompanhamento.

PUBLICIDADE


Existem pessoas que vão ter sintomas, e outras totalmente assintomáticas, mesmo com uma pressão muito alta, de 22, 25. Algumas pessoas têm um pouco de dor de cabeça ou outros sintomas que indicam a hipertensão.

Algumas pessoas mais sensíveis, dependendo da alimentação que fazem (comer muito sódio, por exemplo), podem ter algum sintoma.

Os sintomas da hipertensão são dores de cabeça, um pouco de tontura ou mal estar, falta de memória, fadiga, etc.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, uma vez diagnosticada a hipertensão, é necessário usar medicamento, além de, em paralelo, fazer atividade física e cuidar da alimentação. Os maiores riscos da hipertensão são o AVC e o infarto, além de outras complicações que ela vai acabar causando. A hipertensão está sempre associada com a obesidade, a diabetes e a dislipidemia (o colesterol), que são fatores de risco que vêm aumentando muito.

PUBLICIDADE


Hoje, existem adolescentes hipertensos, pois a alimentação fica muito refém da indústria alimentícia e da praticidade.

Sopas industrializadas

A sopa industrializada é perigosa para a hipertensos, porque ela é liofilizada (o preparo vem quando a pessoa acrescenta água) e tem uma grande quantidade de sódio. Algumas empresas já diminuíram a quantidade de sódio, mas ela continua alta.

O limite de sódio que pode ser consumido ao dia são 2g, mas o brasileiro geralmente consome 5g. O paciente hipertenso pode consumir até 1g.

Quando o paciente entra no hospital e vai ser internado por algum outro motivo, ele entra em uma dieta hipossódica, e precisa usar um único sachê de sal para distribuir na comida, o que é muito pouco, mas ele está acostumado com paladar com bastante sal.

É melhor fazer algumas substituições na dieta do que, no futuro, a pessoa ficar hipertensa, ter um AVC e ser internada.

A sopa com legumes feita em casa pode ser consumida. A pessoa pode usar algumas ervas, como o manjericão e o orégano, para substituir o caldo pronto e a sopa industrializada. A sopa pode ser preparada em um instante, e é possível adicionar pedaços de carne e temperos como salsinha, cebolinha, curry ou açafrão.

Molho de soja temperos industrializados

O molho de soja e o tempero pronto (o caldo industrializado) também são muito perigosos para hipertensos. Hoje em dia, as pessoas vão muito aos restaurantes japoneses, e o consumo de molho shoyo aumentou muito. A pessoa deve evitar um pouco esse molho, e não precisa mergulhar os alimentos, como salmão e atum, no molho, ou não irá saborear esses alimentos.

O glutamato monossódico também é perigoso para quem tem hipertensão. Todo produto, para aumentar a vida de prateleira dele, tem muito glutamato e muito sódio, por isso produtos feitos em casa não têm a duração que têm na vida de prateleira.

Pessoas um pouco mais sensíveis, mesmo não tendo hipertensão, podem ter ficar com mais extensão abdominal e ter dores de cabeça quando comem refeições com muito sódio.

Se a pessoa come uma comida e depois precisou beber muita água e ficou com mais fadiga, essa comida não lhe fez bem.

Muitas vezes, o aumento da sede, a distensão abdominal e a dificuldade para dormir são fatores de alerta de que a pessoa abusou de algum ingrediente, e o sódio pode ser um fator, pois ele vai exigir muito dos rins.

Pressão súbita

A pressão súbita é quando a pessoa tem algum mal estar e, no pronto-socorro, verifica que sua pressão está alta. Ela pode ser causada por algum medicamento que interfere na pressão arterial, como um anti-inflamatório ou relaxante muscular, por causa de exageros na alimentação ou devido ao estresse (no trabalho, por exemplo).

Amêndoas e castanhas

Mesmo sendo saudáveis para a maioria das pessoas, as amêndoas e castanhas salgadas são proibidas para pessoas hipertensas, que devem consumir sempre a versão natural (sem sal).

O ideal é comprar as amêndoas e castanhas ao natural, colocar uma pequena quantidade de sal e consumir in natura ou torradas no forno.

A mitocôndria gera energia para as células. O hábito de sempre beliscar algum doce altera a mitocôndria e causa uma morte celular, causando uma disfunção da célula do endotélio, que precisa abrir e fechar os vasos. Assim, a pessoa tem uma hipertensão causada pelo doce. Isso pode causar arteriosclerose, porque a pessoa vai formar placas de ateroma dentro dos vasos.

Lanches da tarde como cappuccinos de máquina e biscoitos integrais, todos os dias, podem causar hipertensão. O cookie sem açúcar tem carboidratos que podem danificar as células.

Couve e inhame

Couve, cenoura, alho e inhame são saudáveis para todas as pessoas. O inhame é indicado para mulheres no climatério ou na menopausa. Ele pode ser usado na sopa, por exemplo com a couve.

Às vezes a pessoa toma remédio para a pressão, e a pressão fica estabilizada por 2, 3, 5 anos. De repente, a pressão desestabiliza, porque aquele remédio espolia todo o magnésio do organismo, e a pessoa vai ao cardiologista para trocar o remédio anti-hipertensivo. Nesses casos, a pessoa pode aumentar um pouco o magnésio na dieta com foliosas verde-escuras.

Existem vários anti-hipertensivos. A couve é muito versátil, e pode ser colocada no suco, no feijão, na farofa ou utilizada para fazer wraps, no lugar do pão.

O inhame pode ser consumido na versão doce, cozido e batido com frutas para fazer uma sobremesa (um mousse). Também é possível fazer uma sopa de inhame com gengibre e folhas de couve.

Para quem está no climatério e na menopausa, uma boa receita é fritar alho, gengibre e inhame, cozinhar por 10 minutos, depois bater no mixer ou liquidificador para fazer um creme e adicionar umas folhas de couve, cenoura ralada e uma fonte de proteína, como carne.

Essa receita é indicada para quem tem hipertensão, pois aumenta o magnésio por causa da couve e o inhame tem uma propriedade que ajuda a fazer uma limpeza nos vasos sanguíneos.

Chás

Para quem tem hipertensão, recomenda-se uma xícara de chá de flor de camomila ou de erva-doce, sem açúcar ou adoçantes, todas as noites antes de dormir, ou de manhã em jejum. É excelente para induzir o sono e ter um sono reparador. O chá também serve de hidratação.

Leite

O consumo de leite e o iogurte não trazem problemas para quem tem hipertensão, pois não têm tanto sódio e os benefícios são maiores. O leite de embalagem UHT tem um pouco de sódio para conservar. O leite que fica na geladeira do supermercado é melhor, pois tem um pouco menos de sódio.

Aveia

A aveia deve ser consumida por quem tem hipertensão, pois tem compostos muito importantes para ajudar na saúde cardiovascular. Ela pode ser associada à banana e a canela como sobremesa. A banana deixa a pessoa tranquila, pois tem triptofano; a aveia ajuda na saúde cardiovascular (colesterol e triglicérides); e a canela ajuda a modular a glicemia.

Duas colheres de sopa de aveia por dia é o suficiente. É possível fazer mingau para consumir à noite ou colocar no feijão, uma receita muito usada na pediatria.

Suco de caixinha

O suco de caixinha tem uma grande quantidade de sódio e de açúcar. Mesmo os que não têm açúcar e conservantes são totalmente proibidos para quem tem hipertensão.

Pessoa “ex-hipertensa”

Uma pessoa relata que pesava mais de 90kg e sua pressão às vezes estava 13/8. Ela emagreceu 30kg, e agora a pressão está sempre normal. Perder peso ajuda a controlar a pressão. A pessoa poderia estar com uma resistência à insulina ou um início de diabetes, e tudo foi normalizado com a perda de peso.

Existem pessoas “ex-hipertensas”, que deixam de tomar os medicamentos pois, depois da mudança de estilo de vida (MEV), voltam ao cardiologista e a pressão está controlada.

Sardinha

Para os hipertensos, o problema da sardinha é a conserva dela, que é em salmoura. Porém, ela tem mais benefícios, como cálcio e ômega-3, então vale a pena consumi-la se o hipertenso consegue consumir outros alimentos indicados. É possível deixar de molho ou lavar a sardinha antes de consumir.

Azeite

É importante consumir duas colheres de sopa de azeite por dia. Ele pode ser usado sobre a comida, na finalização do prato, ou na salada. O azeite é benéfico para hipertensos por conta da gordura boa que ele tem.

Alimentos industrializados

Nuggets, macarrão instantâneo e queijo ralado são alimentos que têm uma grande quantidade de sódio, e não devem estar na dieta de hipertensos ou de crianças (pois elas vão ficar hipertensas). O rim de um adulto tem 11cm, e o de uma criança de 3 anos é bem menor. A quantidade de sódio nesses alimentos é prejudicial para crianças em desenvolvimento.

Mesmo que a pessoa não use o tempero do macarrão instantâneo, ele foi frito na indústria e já tem muito sódio.

Para usar o queijo parmesão ralado, comprado em pacotinhos, a pessoa pode deixar de colocar sal no cozimento do macarrão ou no molho para tentar equilibrar.

Feijão preto e linhaça

O feijão preto é ótimo para quem tem hipertensão, assim como a linhaça, que pode ser triturada e consumida na forma de farinha. A linhaça, o cacau e a veia são uma ótima combinação, e dão mais saciedade devido ao teor de fibras.

Sal rosa do Himalaia

A princípio, o custo-benefício do sal rosa do Himalaia não vale a pena, pois ele é muito mais caro. É preferível usar o sal normal em menores quantidades para que a pessoa acostume suas papilas gustativas.

Água

A pessoa deve beber, por dia, 35ml de água por quilo de peso. Se o xixi da pessoa estiver bem claro, ela está tomando uma quantidade saudável.

Artigo anteriorSucupira: benefícios e como usá-la
Próximo artigoHipertensão arterial na gestação
CRM: 158986. Graduação em Medicina pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (2004-2010). Residência em Clínica Médica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2011-2013) e Cardiologia (2013-2015) e Miocardiopatias (2015-2016) pela Universidade Federal de São Paulo. Título de especialista em Cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (2016). Professora visitante da Universidade Federal de São Paulo (2016-2018). Médica cardiologista do Hospital TotalCor. Assistência e ensino do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein.