Hipérico: benefícios e como usá-lo

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Hipérico: características

O hipérico (Hypericum perforatum) é uma planta de origem inglesa, com histórico de uso medicinal desde a idade média, principalmente como antidepressivo, ação comprovada cientificamente.

hypericum-perforatum
Hypericum perforatum.

As flores do hipérico são pequenas margaridas amarelas, e ao espremê-las escorre um sumo vermelho, rico em hipericina, substância avermelhada que é o principal princípio ativo do hipérico, e trata, por exemplo, a depressão. Existem dezenas de outras substâncias no hipérico.

PUBLICIDADE
cursos sobre plantas medicinais cpt

O hipérico é utilizado como adstringente, para lavar feridas, para estancar sangramentos, como antisséptico contra bactérias e fungos, como calmante, como analgésico, como anti-inflamatório, tanto interno quanto tópico, e contra dores reumáticas.

Como chá, o hipérico trata a ansiedade infantil, dores menstruais, tensão pré-menstrual (TPM), tosses e bronquites, e é considerado um ótimo cicatrizante, promovendo a regeneração dos tecidos em casos de feridas e queimaduras.

PUBLICIDADE


Além das espécies inglesas, no Brasil também existem espécies nativas de hipérico: a Hypericum brasiliense e a Hypericum connatum. Apesar delas serem parecidas com o hipérico inglês, não se pode afirmar que elas exerçam as mesmas ações que ele.

Efeitos colaterais do hipérico

É possível fazer uso contínuo do hipérico sem problemas. É uma planta muito segura. Somente o uso por pessoas que têm algum problema, ou em dosagens muito altas, pode causar distúrbios gastrointestinais (como irritação do estômago ou do intestino), confusão mental, sonolência e sedação.

Em casos mais graves, pode ocorrer fotossensibilização – sensibilização da pele por conta da iluminação solar. Assim, recomenda-se a quem faz tratamento com o hipérico não sair ao sol excessivamente (não ir à praia ou à piscina tomar sol, por exemplo). Porém, esses casos são raros e ocorrem somente em pessoas sensíveis aos princípios ativos do hipérico.

Uso do hipérico durante a gravidez e a amamentação

Os extratos do hipérico se mostraram muito seguros, não têm efeitos abortivos e nem prejudicam o desenvolvimento fetal. Tecnicamente, a mulher pode tomar o hipérico durante a gestação sem problema nenhum, porém, grávidas devem sempre pedir orientação médica sobre o uso das plantas.

O hipérico também não interfere na lactação (produção de leite pela mãe), nem na quantidade nem na qualidade do leite que se produz. Isso é importante pois mulheres que têm depressão durante a gravidez ou no pós-parto podem tomar o hipérico com total segurança, sem prejudicar o bebê, a lactação ou a gestação de modo geral.

Interação medicamentosa

Se a pessoa toma medicação de uso contínuo ou faz algum tratamento e toma o hipérico, deve consultar um especialista para verificar a interação medicamentosa, já que o hipérico interfere na ação de outros medicamentos.

Benefícios do hipérico

Ação no sistema nervoso central

O hipérico atua no sistema nervoso central, na produção de neurotransmissores, como serotonina, dopamina, noradrenalina e epinefrina, que estão ligados às sensações, aos comportamentos, às emoções, etc.

Controle do alcoolismo

O hipérico não faz com que a pessoa deixe de ser dependente de álcool, porém, ele controla alguns padrões neurológicos (dos neurotransmissores, da sensação de felicidade e satisfação e da ansiedade) que levam ao consumo de álcool.

Estudos mostram que a administração do extrato de hipérico, na forma de cápsulas, tintura ou chás, reduz o desejo e a compulsão pela ingestão de álcool. Tomar hipérico combate a depressão alcoólica, facilitando o controle do ímpeto de beber.

Tratamento da tensão pré-menstrual

Na tensão pré-menstrual, o uso do hipérico não reduz dores de cólicas e nem melhora o estado de humor das mulheres, mas alivia os sintomas gerais da TPM. Isso valida o seu uso como tratamento preventivo, paliativo ou auxiliar em casos de TPM.

Ação cicatrizante

Num estudo feito com mulheres que tinham realizado cesariana, num grupo foi administrado uma pomada de hipérico sobre o corte da cesariana, noutro um cicatrizante comum.

O hipérico acelerou a cicatrização, melhorou a qualidade do tecido que se forma na cicatriz e reduziu as dores, o inchaço e a inflamação na área da cirurgia.

Em outro estudo, foi passado sobre áreas feridas um extrato de hipérico à base de óleo de oliva, que exerceu ação cicatrizante e anti-inflamatória.

Ação anti-inflamatória e gastroprotetora

O Oleum hyperici é um composto retirado das flores do hipérico. Ele foi testado e demonstrou tanto ação anti-inflamatória, quanto gastroprotetora (contra gastrites, úlceras, etc.).

O extrato da planta, na forma de chá ou de tintura, demonstrou, em vários estudos, ação anti-inflamatória e analgésica.

Em inflamações da garganta, pós-cirúrgica, do ouvido, das amídalas ou intestinal, tomar extrato de hipérico reduz as dores inflamatórias e desinflama a área.

Para tratar inflamações crônicas, como a artrite, o hipérico também é eficiente.

Em alguns casos, o uso dos extratos do hipérico irrita a parede estomacal devido a sensibilidade ao hipérico.

Uso tópico dos extratos de hipérico

Aplicados topicamente sobre a pele ou nas articulações, para dores articulares, musculares ou problemas de pele, os extratos de hipérico têm bons resultados.

A melhor preparação feita com hipérico para inflamações tópicas é à base de óleo de oliva.

Tratamento da diabetes

O extrato ou a cápsula de hipérico reduzem os níveis glicêmicos em curto espaço de tempo, e auxiliam no tratamento da diabetes.

Ação antidepressiva

A depressão é um estado de baixa autoestima, de tristeza, de falta de animosidade, que leva as pessoas a se trancarem em casa.

O uso do hipérico é reconhecido mundialmente como eficiente para tratar casos leves e moderados de depressão. Inclusive, ele é muito utilizado como substituto do Diazepam, com excelentes resultados.

Alguns estudos sugerem que o hipérico pode ser uma excelente opção de tratamento natural para a depressão pós-parto.

Na Alemanha, o uso do hipérico é superior ao de antidepressivos comerciais.

Em um estudo foi verificado que o hipérico tem ação equivalente à do cloridrato de fluoxetina (cujo nome comercial é Prozac).

Quem toma Prozac ou Diazepam pode experimentar o hipérico para evitar se sujeitar a efeitos colaterais, contraindicações e dependência química.

Uma pesquisa verificou que o Hypericum brasiliense exerce significativa ação antidepressiva. Ainda são necessários mais estudos para confirmar essa e outras propriedades medicinais dessa planta, mas ela é utilizada como antidepressivo nas regiões que é nativa.

O uso do hipérico também exerce eficiente atividade antidepressiva em crianças, e é seguro.

A dosagem do hipérico varia de acordo com o peso e da idade da criança. Para indicar a dosagem adequada é importante o acompanhamento com um pediatra, ou mesmo um fitoterapeuta ou homeopata.

Hipérico e serotonina

O cérebro produz serotonina, o hormônio da felicidade, do bem-estar, da saciedade e do otimismo, que atua entre os neurônios, que se comunicam quimicamente uns com os outros. É necessário ter quantidade adequada de serotonina circulante no organismo. O hipérico aumenta a disponibilidade de neurotransmissores no cérebro, entre eles a serotonina.

Depois que ocorre a descarga de serotonina, o próprio corpo absorve-a. O hipérico impede isso. Assim, tem-se uma maior concentração de serotonina entre os neurônios por mais tempo, e melhora-se a condição emocional.

Por conta do aumento da disponibilidade de serotonina, o hipérico não pode ser utilizado junto com outros medicamentos que também incrementam a produção de serotonina, pois corre-se o risco de ter um problema chamado síndrome da serotonina, que causa euforia, taquicardia, dificuldades para dormir e outros problemas.

Preparação de óleo medicinal

Para fazer um óleo medicinal, escolha as plantas que deseja usar (que precisam estar frescas) e lave-as muito bem, deixe-as secar em cima de um papel toalha, pique-as, coloque-as dentro de uma cumbuca, pote ou pequena bacia de louça, triture-as até virarem uma pasta verde, e coloque-a dentro de um frasco esterilizado. Para isso, lave-o com sabão e ferva-o.

Para secar o frasco, adicione álcool 70% (não o 46%, de cozinha), agite bem (para que misture todo o excesso de água) e jogue fora. Deixe-o secar e coloque as plantas trituradas dentro.

Cubra as plantas com azeite de oliva ou óleo de coco (não o de soja). Feche bem o vidro e armazene-o em um armário fechado por cerca de 20 a 30 dias, tempo para que o óleo extraia os princípios ativos das plantas.

Passado esse período, abra o frasco, coe o óleo com uma peneira e descarte as folhas que ficarem presas. Pegue um funil, coloque duas telas de gaze dentro dele e despeje o óleo pelo funil para retirar as partículas mais finas. Assim, o óleo ficará extremamente purificado.

O óleo produzido é medicinal – comum, mas enriquecido com princípios ativos das plantas escolhidas. É possível utilizá-lo topicamente na musculatura, nas articulações, para cicatrizar feridas, etc.

PUBLICIDADE