Hibisco: benefícios e como usá-lo

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Hibisco: características

O hibisco (Hibiscus sabdariffa) é uma planta de alto potencial medicinal, utilizada como diurética, anti-inflamatória, emagrecedora, protetora do fígado, controladora da hipertensão arterial, entre outros usos populares.

Ele é muito utilizado em todas as regiões do Brasil e também é chamado de quiabo do inferno, quiabo da guiné, groselheira, azedeira e vinagreira, pois é bastante ácido.

PUBLICIDADE
cursos sobre plantas medicinais cpt

Existem várias espécies de hibisco, algumas delas com as flores grandes, outras com menores. O Hibiscus sabdariffa tem as flores pequenas e amarelas, e dele são utilizados os botões florais, ainda vermelhos e fechados.

hibisco
Hibisco (Hibiscus sabdariffa).

Sua origem remonta a África e a Ásia. Ele é comum na Índia e em vários lugares da África, onde nasce espontaneamente. No Brasil, é necessário plantá-lo. Algumas pessoas têm hibisco no jardim como planta ornamental.

PUBLICIDADE


As folhas dele são azedas, e é possível fazer saladas e refogados com elas. Em alguns lugares, os botões fechados do hibisco são triturados e soltam uma mucilagem (um gel) que é fervida com açúcar para produzir geleias, que podem ser passadas em pães e biscoitos.

Toxidade do hibisco

De modo geral, para fazer o chá de hibisco, deve-se utilizar uma colher dos botões florais picados para cada xícara de água, e tomar uma, duas ou três vezes ao dia.

O uso do extrato do hibisco é considerado seguro, atóxico. Apenas em alguns casos deve-se ter atenção no consumo dele. Pessoas que têm problemas de ácido úrico – que têm dificuldades de eliminar ácido úrico, tem gota, etc. –, devem evitar o consumo do hibisco, pois ele pode aumentar a produção de ácido úrico.

Homens que têm baixa fertilidade (anomalias na produção espermática) e estão tentando ter filhos, não devem consumir chá de hibisco, pois ele interfere na espermatogênese – produção de espermatozoides pelos testículos –, reduzindo ainda mais a fertilidade.

O consumo excessivo de hibisco, por tempo prolongado, pode causar problemas hepáticos. O uso nas medidas recomendadas, não causa problemas.

Benefícios do hibisco

Ação antioxidante

Antioxidantes são compostos que combatem radicais livres – substâncias nocivas produzidas pelo próprio corpo, que pioram inflamações, doenças crônicas, aumentam a dor e a febre, são responsáveis pelo envelhecimento precoce e, em alguns casos, até mesmo pelo desenvolvimento do câncer. Combater os radicais livres é importante para a saúde, e para isso recomenda-se o hibisco.

Nas flores do hibisco se encontra uma substância chamada antocianina, que lhes dá a coloração vermelha e é excelente antioxidante.

Proteção do fígado

Medicamentos, outros produtos químicos e tratamentos, como os para tuberculose, podem danificar o fígado. Nesses casos, o hibisco pode ser consumido para proteger o fígado.

Muitos tomam paracetamol para tratar dores de cabeça ou inflamações pontuais, porém, alguns têm doenças crônicas e tomam este remédio todos os dias, 3 ou 4 vezes ao dia, o que prejudica o fígado. Para evitar isso, pode-se tomar chá de hibisco, que inibe as lesões tanto causados pelo paracetamol quanto por outros agentes químicos, e evita, inclusive, a fibrose hepática.

Ação antitérmica, analgésica e anti-inflamatória

Ele auxilia no controle da temperatura, assim quem tem uma febre leve pode tomar o chá de hibisco.

Testado em cobaias, o hibisco causou redução significativa na sensação de dor.

O hibisco foi testado com células em laboratório e não foi relatada ação anti-inflamatória. Em outro estudo, realizado com humanos, ele teve excelente ação como anti-inflamatório.

Para inflamações leves, dores leves e febres leves, o hibisco é indicado.

Controle da obesidade

O hibisco é muito utilizado em regimes de emagrecimento, para controlar a obesidade. Consumir hibisco reduz as taxas de triglicérides e de colesterol no organismo, principalmente de LDL (considerado ruim e responsável pela arteriosclerose e outros problemas), e eleva o HDL (bom para o organismo).

Prevenção e tratamento do câncer

O hibisco pode ser tomado para manter a saúde do organismo e evitar vários tipos de câncer.

Algumas células humanas foram induzidas em laboratório a terem mutações genéticas, responsáveis pelo desenvolvimento de alguns tipos de câncer. Dois grupos de células foram testados, um recebeu extrato de hibisco, outro não. As primeiras tiveram uma inibição de 80% nas mutações genéticas, e as outras apresentaram mutações no DNA e estavam mais propensas ao desenvolvimento do câncer.

Contra o câncer do cólon (câncer de intestino), o hibisco foi testado e controlou o desenvolvimento da fase inicial dessa neoplasia e evitou que ela crescesse e se proliferasse.

Em outro teste, células leucêmicas foram atacadas com extrato de hibisco e por conta disso entraram em colapso e morreram.

Isso demonstra que o hibisco exerce ação antitumoral, e pode ser um preventivo ou auxiliar no tratamento de alguns tipos de câncer.

Controle da pressão arterial

A pressão alta, ou hipertensão arterial, é um problema grave que muitas pessoas têm. O extrato das folhas do hibisco auxilia no controle da pressão arterial, relaxando a musculatura lisa – filamento de músculo que sustenta o formato de veias e artérias. Quando contraída, a veia se fecha, reduzindo a passagem de sangue; quando relaxada, a passagem de sangue aumenta. Quanto mais relaxada a musculatura lisa, menos pressão o sangue precisa para fluir pelos vasos sanguíneos.

As antocianinas, que dão a cor avermelhada às sépalas das flores do hibisco, muito presentes na planta, exercem ação protetora cardíaca.

Um exame foi realizado em laboratório com pacientes humanos. Foi feito um chá com duas colheres de sopa de hibisco para cada xícara de água. Os pacientes foram tratados durante 12 dias tomando essa xícara de chá, e tiveram 11% de redução na média de suas pressões arteriais.

Se a pessoa tem pressão muito alta e problemas para controlá-la, pode tomar duas xícaras desse chá ao dia.

Em outro estudo feito com hipertensos, foi testada a relação do chá de hibisco e o captopril, medicamento comercial utilizado para controlar a pressão arterial. O chá foi preparado fervendo 4 colheres de hibisco picado para cada 0,5l de água, e depois armazenado na geladeira. Os pacientes tomaram um copo do chá todos os dias, antes do café da manhã. Depois de 4 semanas de tratamento, a pressão arterial foi regulada da mesma forma que a dos pacientes que tomaram captopril.

PUBLICIDADE