Gravidez na menopausa

Menopausa x gravidez

Entre 40 e 45 anos, se a mulher não menstruar e tiver dúvidas sobre o motivo disso, deve fazer o teste de gravidez e procurar um médico, pois pode estar grávida. A gravidez acima dos 40 anos é de alto risco e requer atenção especial. É importante a mulher tenha acompanhamento médico para não confundir uma pré-menopausa com uma gravidez e vice-versa, evitando estresse desnecessário.

PUBLICIDADE


Às vezes a mulher está tão acostumada com a irregularidade da menstruação que não se dá conta de que está grávida e só descobre com 3 ou 4 meses de gestação.

Menopausa: o que é?

A menopausa é a ausência de menstruação por um período superior a 1 ano. Quando ela ocorre antes dos 40 anos, é chamada de precoce.

Sintomas da menopausa

Nesse período de transição entre a idade fértil e a menopausa, a mulher pode apresentar alguns sintomas, os principais são no ciclo menstrual – o mais comum deles é o encurtamento, quando o ciclo que antes era de 28 dias passa a ocorrer a cada 24 ou 25 dias; ou o alongamento, quando a mulher fica 1 ou 2 meses sem menstruar, isso porque nesse período ela vivencia vários meses sem ovulação.

Além disso, podem ocorrer outros sintomas, como a diminuição do fluxo menstrual, fogachos e aumento da irritabilidade.

PUBLICIDADE


Gravidez pouco antes da menopausa

Nesse período, não é impossível a gravidez natural, mas as chances são mais baixas. Mesmo a mulher que já está na menopausa estabelecida, ou na transição entre o período fértil e a menopausa, é possível que engravide por meio da doação de óvulos, um programa autorizado e regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina.

A mulher que tem alteração do ciclo menstrual e dificuldades para engravidar deve procurar um especialista. Nesse caso, o tempo é valioso.

Riscos da gravidez em idade avançada

A partir dos 35 anos, há queda da fertilidade da mulher e aumento de riscos na gravidez – tanto de má formação fetal, por exemplo, de síndromes como a de Down, quanto de doenças como hipertensão arterial e diabetes, que colocam tanto a mãe quanto o bebê em risco. Por isso, essa gravidez deve ser cuidada em um pré-natal de alto risco, monitorando a pressão arterial, o diabetes e realizando os exames pertinentes.

Se a mulher ainda estiver na fase de menstruação irregular, ela corre o risco de descobrir a gestação tardiamente, e às vezes já perdeu a janela dos exames mais precoces que poderiam indicar maior risco na gravidez.

Congelamento de óvulos

A mulher nasce com um número X de óvulos e, a cada menstruação, libera um óvulo. Com o tempo, esses óvulos envelhecem.

Quando a mulher não tem um parceiro sexual fixo e perspectiva de gravidez, ao chegar em determinada idade (entre 35 e 40 anos), alguns médicos sugerem que ela procure uma clínica de fertilização para fazer congelamento de óvulos. Assim, a partir do momento em que ela queira constituir família, tem a possibilidade de usá-los.

Antes da mulher fazer a coleta para manter esses óvulos viáveis, ela é orientada pela clínica de reprodução humana a ingerir uma quantidade suficiente de ácido fólico para preservar os melhores óvulos. Pelo ultrassom, é possível verificar quais óvulos possivelmente serão melhor fecundados.

Artigo anteriorExames para menopausa
Próximo artigoHipertireoidismo e menopausa
CRM: 81139. Médico Ginecologista e Obstetra da Notre Dame Intermédica (2013-atual). Médico Ginecologista do Complexo Hospital Edmundo Vasconcelos (2012-atual). Coordenador da Clínica Ginecológica Hospital Dom Antonio de Alvarenga (2008-atual). Médico Ginecologista da Prefeitura Municipal de Mauá (2002-atual). Médico Ginecologista da Unidade Básica de Saúde Vila Oratório (1999-2011). Médico Ginecologista e Obstetra da Organização Mogiana de Educação e Cultura (1998-2000). Médico plantonista do Pronto Socorro Municipal de Pindorama (1995-1996). Médico plantonista da Maternidade da Santa Casa de Misericórdia de Mauá (1997-2003). Professor da USC Centro Universitário São Camilo (2015-atual). Residência médica pelo Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (1997-1998). Residência médica em Obstetrícia e Ginecologia pela Faculdade de Medicina de Catanduva (1995-1997). Graduação em Medicina pela Universidade do Estado do Amazonas (1989-1994).