Finasterida tópica

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Finasterida tópica funciona?

Alguns pacientes tratados com finasterida de administração oral reportam redução de libido, disfunção erétil, depressão e síndrome pós-finasterida.

Um estudo de 2014 versa sobre a finasterida tópica, e constata que existe absorção dela por parte do couro cabeludo, e que com o tempo ela reduz os níveis plasmáticos de di-hidrotestosterona (DHT), porém, usada dessa maneira, a dose da droga é dez vezes menor que a do comprimido.

Finasterida tópica manipulada ou industrializada?

Só existe finasterida tópica manipulada, não industrializada, assim, deve haver prescrição e acompanhamento médico para averiguar se esse é o veículo ideal para o paciente em questão e se a farmácia elabora-a com uma formulação estável.

Maior absorção da finasterida tópica

Com o mmp e o microagulhamento, abre-se a porta de entrada da pele para a finasterida, e neste caso a absorção dela é garantida.

PUBLICIDADE


Artigo anteriorFinasterida e testosterona
Próximo artigoFinasterida: uso tópico funciona?
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).