Finasterida perde o efeito com o tempo

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Um dos muitos mitos sobre a finasterida é de que ela perde eficácia com o tempo de uso, alguns pacientes de 25 anos acham que não devem tomar finasterida continuamente pois quando tiverem 50 anos ela não fará mais efeito para eles.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

Hormônios, como a testosterona e a di-hidrotestosterona (DHT), tendem a ter a produção diminuída com o passar do tempo, e assim, alguns médicos reduzem a dose de finasterida quando o paciente passa de 50 anos.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

A finasterida é usada na dosagem de 5mg há mais de 20 anos nos Estados Unidos para tratar a próstata – para cabelos utiliza-se a de 1mg. Nesse prazo mais longo de uso, caso o remédio realmente perdesse efeito, isso poderia ser detectado mais facilmente.

No décimo congresso de tricologia, realizado no Japão, foi apresentado um estudo mostrando a eficácia da finasterida quando administrada ao longo de 10 anos.

PUBLICIDADE


No Brasil, a finasterida é vendida sem receita médica, porém, isso não acontece nos Estados Unidos.

Artigo anteriorFinasterida funciona depois de quanto tempo?
Próximo artigoFinasterida e testosterona
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).