Finasterida para Mulheres

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Finasterida serve para mulher?

A Finasterida é um medicamento controverso e polêmico, ainda mais quando o assunto é a administração dela em mulheres, que também podem ter calvície, mas normalmente não chegam a ficar totalmente carecas, e sim com a cabeleira rala devido à influência hormonal, fazendo com que os fios, antes grossos e fortes, fiquem finos e fracos.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

Existem muitos estudos científicos demonstrando a segurança do uso da Finasterida se houver acompanhamento médico (para avaliar a saúde hepática e a hormonal).

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

Efeitos colaterais da Finasterida

Fala-se muito que a Finasterida causa impotência e perda do desejo sexual, porém, vários estudos demonstram que, nesses casos, a origem dos transtornos sexuais é psicológica.

Num estudo, um grupo de homens tomou placebo (pílulas de farinha) e outro Finasterida, o primeiro grupo teve quase a mesma incidência de efeitos colaterais do segundo, relatando perda de libido, entre outros males.

PUBLICIDADE


Há homens que usam a Finasterida há décadas, fazem acompanhamento médico a cada seis meses, e relatam que a queda de cabelo regrediu, e que provavelmente estariam com menos fios se não utilizassem o medicamento.

Uso da Finasterida por mulheres

O uso de Finasterida por grávidas é arriscado, pois pode causar problemas no feto.

finasterida-para-mulher

É importante que a mulher use Finasterida com indicação médica, ninguém deve se automedicar.

A tricologia é uma área muito recente na medicina. Em 2017 no Japão, aconteceu apenas o 10° Congresso de Cabelos, pouco se comparado ao número de eventos que ocorrem em outras áreas médicas. Portanto, muitas medicações são novas.

Síndrome Pós-Finasterida e efeitos psicológicos da droga

Corre na internet um mito em relação à Síndrome Pós-Finasterida, em que a pessoa, mesmo tendo suspendido o uso do medicamento, ainda sofre com os efeitos colaterais dele.

Estudos constataram que pessoas que alegam depressão por conta do consumo de Finasterida, na verdade já tinham histórico de depressão severa.

Em outro estudo, foram comparadas pessoas que estavam tomando Finasterida e que os médicos disseram a elas todos os possíveis efeitos colaterais do uso desse medicamento, e outras cujos médicos simplesmente prescreveram a medicação. No primeiro grupo, houve mais relatos de manifestação de efeitos adversos, mostrando a influência psicológica nessa questão.

Segurança e efeitos colaterais das medicações

Toda droga tem efeitos colaterais e pode trazer problemas, a que mais causa hepatite fulminante nos Estados Unidos é o paracetamol, um remédio que muitos tomam livremente, e cuja bula informa vários efeitos colaterais.

A Finasterida é mais utilizada em mulheres que já passaram pela menopausa, ou seja, tem uma quantia maior de hormônios masculinos e não têm chance de engravidar.

Se realizado tratamento rigoroso, com acompanhamento médico, o consumo de Finasterida é seguro, e ela não está na lista do FDA (Food and Drug Administration) das drogas mais perigosas.

Artigo anteriorBloqueador de DHT Funciona?
Próximo artigoTransplante Capilar: Pré-Operatório – Como Funciona
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).