Exímia fortalize para queda de cabelo

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Motivos da queda de cabelo

São diversos os fatores que podem levar a queda de cabelo, dentre eles o mais vigente é o nutricional. Uma alimentação não balanceada e variada principalmente em frutas e vegetais, pode gerar carência nutricional e perda capilar difusa. Cabelos e unhas são os únicos tecidos do organismo considerados mortos, porém, ainda assim são renovados constantemente.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

A média de idade de um fio de cabelo maduro no couro cabeludo é de três anos, assim, qualquer intervenção que se faça no cabelo, como tinturas e alisamentos, favorece o surgimento de lesões que podem perdurar por anos até que a queratina do fio se torne íntegra novamente, ou seja, os danos se revertem somente depois de muito tempo.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

Não somente o envelhecimento colabora para que o cabelo fique mais fino, mais quebradiço, menos resistente a traumas, e hipopigmentado (os famosos cabelos brancos), diversos motivos colaboram para diminuir inclusive a velocidade de crescimento dele, como doenças crônicas, infecções, queimaduras, uso de alguns medicamentos (como antibióticos), desvios alimentares (como bulimia e anorexia), doenças que geram má absorção gastrointestinal (como a síndrome do intestino irritável), síndrome de crohn, doença celíaca, doenças autoimunes como o hipotireoidismo, e durante o período de gestação e lactação não raro mulheres reportam queda capilar.

O cabelo é basicamente feito de queratina – produzida pelos queratinócitos –, que se íntegra, o cabelo está forte, resistente, com velocidade de crescimento regular e coloração normal. Alguns problemas nutricionais favorecem à fragilidade da queratina, e alteram o ritmo de crescimento e a coloração dos cabelos, e diminuem a resistência dele à traumas (tração do cabelo).

PUBLICIDADE


Suplementação para o cabelo

Quando o fio está frágil, por mais que ele seja preso com delicadeza, cairá. E daí se faz necessário suplementar vitaminas e minerais, que comprovadamente colaboram para que enzimas e proteínas, inclusive as presentes nos cabelos e nas unhas, desempenhem corretamente as atividades. E para quem não tem uma boa alimentação, é importante tomar esses suplementos.

Os nutracêuticos voltados para essa finalidade são inúmeros, a cada ano são lançados mais e outros aperfeiçoados.

Exímia Fortalize

O Exímia Fortalize, do laboratório Farmoquímica, contém a famosa biotina (também chamada de vitamina H ou B7), mas não só ela é importante para interromper a perda dos cabelos, favorecer o crescimento, encorpar e conferir resistência e brilho a eles. Existem diversas vitaminas e minerais tão indispensáveis quanto ela para desempenhar um bom papel para a saúde dos cabelos e das unhas. Esse produto também contém vitaminas do complexo A, C, E, as do complexo B (B1, B3, B5, B6, B9, B12), além de alguns oligoelementos (zinco, ferro).

A deficiência de zinco colabora para a perda capilar difusa (ou seja, em diversas partes do couro cabeludo), faz com que o fio de cabelo fique mais frágil, com aspecto de espantalho.

A deficiência de ferro faz com que a raiz do cabelo diminua a velocidade de crescimento dele.

A vitamina A participa da diferenciação dos queratinócitos.

As vitaminas E e C são antioxidantes, pois neutralizam a ação de radicais livres, e com isso retardam o envelhecimento dos cabelos e das unhas. Além disso, a C tem um diferencial, ela comprovadamente inibe a alopecia androgenética.

A biotina confere densidade e cor aos fios de cabelo, e naturalmente quando deficitária faz que eles fiquem mais finos, quebradiços e com coloração alterada – daí os cabelos brancos.

A B1 (tiamina), a B3 (miacina), a B5 (ácido pantotênico), a B9 (ácido fólico), a B6 (pirodoxina) e a B12 (cianocobalamina) são importantíssimas para conferir uma velocidade de crescimento normal para os cabelos. A miacina tem uma particularidade, ela participa da produção de colágeno e melanina, esta confere cor aos cabelos e aquele proporciona a eles resistência e elasticidade.

A deficiência de B12 altera a cor dos cabelos e das unhas, o que é reversível repondo-na.

Como tomar o exímia fortalize

É importante ter disciplina na administração dos nutracêuticos, o Exímia Fortalize deve ser ingerido em jejum meia hora antes do café da manhã ou antes do almoço, nesta última, que costuma ser uma alimentação mais rica no cardápio dos brasileiros, a absorção dos oligoelementos é maior.

Por estar dentro dos valores diários de reposição do organismo, pode-se tomá-lo indeterminadamente, ainda que ele tenha vitamina A na composição, pois a dosagem dela não é exagerada, a não ser que o indivíduo já reponha esta vitamina tomando polivitamínicos, ou consumindo exageradamente ovos, por exemplo. Nesse caso, deve haver intervalo no uso dos suplementos para não redundar em excesso de vitamina A no sangue e problemas na visão (também gerados pela falta desta vitamina).

Artigo anteriorExames para queda de cabelo
Próximo artigoFototerapia capilar
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).