Espironolactona para queda de cabelo

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Identificando a queda de cabelo

No eflúvio telógeno, a queda pode chegar a mais de 200 fios por dia. Se isso ocorrer, é necessário procurar a ajuda de um dermatologista, que saberá orientar e conduzir o tratamento.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

O estresse crônico pode levar a alterações hormonais.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

O tratamento do eflúvio telógeno possui dois pilares: descobrir e retirar o fator desencadeante dele, além de entrar com medicamentos para diminuir a queda. Na maior parte das vezes o cabelo nasce de novo, mas o impacto da falta dele na vida profissional e social do paciente é grande.

Eflúvio telógeno

Fatores hormonais, estresse, noites mal dormidas, traumas físicos e emocionais, cirurgias de grande porte, falta de ferro no organismo, excesso de vitamina A, perda de peso drástica (como a gerada por qualquer tipo de redução de estomago ou uma dieta muito restritiva), podem causar uma falta de nutrientes aos fios e resultar no eflúvio telógeno, em que uma grande porcentagem de cabelo entra na fase telógena (repouso), parando de crescer.

PUBLICIDADE


A glândula tireoide produz hormônios que regulam o corpo. Se a pessoa tem hipertireodismo ou hipotireoidismo, pode emagrecer demais ou engordar demais, e essas disfunções hormonais pode culminar em perda capilar.

Artigo anteriorEflúvio telógeno: tratamento
Próximo artigoExames para queda de cabelo
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).