Dúvidas respondidas sobre clareamento dental

Clareamento dental: principais dúvidas

Alimentos que mancham os dentes

Bebidas e comidas são ricas. Uma macarronada com molho de tomate, por exemplo, é um prato repleto de corantes e pode manchar os dentes, porém não instantaneamente, e sim com o hábito. O chimarrão e o café também os mancham, o que não significa que não se devam consumir tais produtos. Para isso, existe o clareamento.

PUBLICIDADE


Tipos de clareamento dental

O clareamento não prejudica os dentes e, para realizá-lo, basta o indivíduo ter todos os permanentes.

Há o tratamento caseiro e o a laser. O primeiro faz-se em casa com moldeira e gel, aplicado todos os dias ao longo de algumas horas; o segundo, em consultório, pela aplicação de um gel ativado por luz com comprimento de onda específico.

Tempo de tratamento do clareamento a laser

A terapêutica a laser é um pouco mais rápida porque normalmente demanda menos sessões, de três a quatro.

Quem pode fazer o clareamento

Um indivíduo que tem, por exemplo, um dente de porcelana há bastante tempo e os demais naturais com aspecto amarelado poderá fazer clareamento, porém o dente de porcelana não sofrerá alterações, por isso, depois, será necessário confeccionar nova porcelana.

PUBLICIDADE


Sensibilidade

Após o procedimento, alguns podem sentir leve sensibilidade nos dentes, mas, no dia seguinte, não sentirão nem isso nem dor.

Há pacientes que, durante ou após o tratamento, se queixam de aumento de sensibilidade dos dentes, enquanto outros não sofrem desse problema. Atualmente, os peróxidos, agentes clareadores, contêm cálcio, o que reduz o desconforto.

Retirados os pigmentos dos canalículos dentinários, as terminações nervosas ficam mais expostas ao meio bucal, assim, após o clareamento, tende a aumentar a sensibilidade dentária, porém esse processo é reversível e passageiro, se observado o uso correto dos dessensibilizantes e do flúor.

Higiene bucal

Antes do clareamento, recomenda-se limpeza, remoção de placa bacteriana e de tártaro, para, no momento da aplicação, o gel entrar eficazmente em contato com os dentes.

Tratamento prévio de problemas dentários

Para o clareamento dental ocorrer de modo mais tranquilo e seguro, a primeira cautela é tratar previamente possíveis enfermidades dentárias, tais como gengiva inflamada, cáries e restaurações quebradas. Por ser intervenção puramente estética, ele é um dos últimos passos.

Clareamento dental e enfraquecimento dos dentes

O clareamento dental não enfraquece os dentes, porque objetiva apenas lhes recuperar a cor natural, sem lhes alterar a estrutura.

O dente compõe-se de microfuros chamados canalículos dentinários, dentro dos quais se acumulam pigmentos provenientes de alimentos, cigarro e tudo que entra em contato com os esses tecidos. Essas partículas, que amarelam e escurecem os dentes, esta técnica visa a remover.

Duração do clareamento dental

A duração do clareamento dental dependerá dos hábitos diários de cada pessoa. Em virtude da maior exposição dos canalículos, após o clareamento deve evitar-se a ingestão de elementos que colorem os dentes, como chás, café, cigarro e vinho tinto. Quanto mais tempo se estender essa conduta, maior será a durabilidade do tratamento. Além disso, a higiene é de fundamental relevância para o não acúmulo de pigmentos.

Variação dos efeitos do clareamento dental

Embora qualquer indivíduo possa submeter-se ao clareamento dos dentes, ele não funciona do mesmo modo para todas as pessoas, mas de acordo com os hábitos de cada uma, relativos à pigmentação dental.

Recomendações sobre restaurações anteriores

O tratamento não clareia as restaurações, que eventualmente se devem substituir após o procedimento, em vista da possibilidade de ficarem com cor diferente.

Clareamento caseiro

Os clareamentos totalmente caseiros, comprados em farmácias e supermercados, talvez não tragam bons resultados, porque, em face dos riscos, as instituições reguladoras não autorizam comercializar produtos com alto teor de concentração de princípio ativo, logo, em geral, os caseiros são mais fracos e ineficazes.

Clareamento realizado em consultório

O tratamento em consultório é mais seguro, dada a possibilidade de colocar barreiras gengivais, cuja função é impedir o contato do líquido com os tecidos moles. Apesar disso, há profissionais que atestam que o caseiro, orientado pelo dentista, pode clarear mais do que o do consultório.

Qualquer dentista pode conduzir esse procedimento, já que é relativamente simples.

Os dentistas costumam utilizar dois métodos:

  • com uso de uma moldeira que o paciente leva para casa e em que aplica o líquido clareador por determinado número de dias, conforme orientação;
  • ativado por laser ou led.

Clareamento com cremes dentais

Os cremes dentais são abrasivos, removem apenas manchas superficiais do esmalte, mas não clareiam efetivamente.

Clareamento dental e enfraquecimento dos dentes

O clareamento age diretamente no pigmento, sem afetar a estrutura dentária.

Alimentação durante o clareamento

Durante e após o tratamento, é contraindicado consumir alimentos pigmentados, como café, refrigerantes e feijoada.

Indivíduos com contraindicação para o clareamento

Não se aconselha esse procedimento para pessoas com menos de quinze anos, cujo esmalte dental não se formou totalmente, além de gestantes e indivíduos com várias restaurações estéticas dianteiras ou retrações gengivais.

Resultados

O clareamento a laser dura de três a quatro anos, porém isso varia de pessoa para pessoa. Quem ingere alimentos mais pigmentados têm mais problemas.

Produtos ineficazes no clareamento dental

Entre bicarbonato, limão e casca de laranja, pode-se utilizar, pelo teor abrasivo, apenas o primeiro, mas só para tirar manchas, porque ele não clareia.

Clareamento dental e risco de câncer

Não há relatos nem evidências de que agentes clareadores provoquem câncer.