Cura da calvície

Atualizado em:

PUBLICIDADE


O que é calvície

A perda de cabelos, em termos genéricos, é chamada alopecia. A androgenética baseia-se em predisposição genética e na idade, quando a di-hidrotestosterona se liga aos receptores no couro cabeludo, promove miniaturização dos fios, que não nascem novamente, e posteriormente a queda.

Com frequência, a calvície manifesta-se no vértex ou coroa, local diferente no que tange à aderência dos fios e à concentração deles: tanto homens como mulheres apresentam 30% menos fios nessa área.

Proporção da incidência de calvície em mulheres e homens

A alopecia androgenética é mais comum em homens, que também totalizam 80% das pessoas que buscam por transplante capilar.

A calvície é ligada ao sexo. A mulher, para ser calva, deve herdar o gene do pai e da mãe conjuntamente; o homem, por outro lado, pode recebê-lo de um ou de outro, de modo que as possibilidades de ele desenvolver calvície são maiores.

PUBLICIDADE


Medicamentos para retardo de queda capilar

Há medicamentos para retardar a queda de cabelos. Desse modo, alguém que perderia boa parte da densidade capilar em dez anos, com o uso correto da medicação, prolonga, por exemplo, mais cinco a vida dos fios, que cairão em quinze, no entanto nenhum tipo de medicamento os restitui. Propagandas que prometem renascimento dos cabelos são enganosas.

A Finasterida inibe a ação da testosterona no couro cabeludo e, embora não reverta a calvície, consegue mantê-la estável. Também o fazem os vasodilatadores locais, como o Minoxidil.

Solução para a calvície

Para solucionar o problema, o que funciona é o transplante capilar para o que há duas técnicas modernas, usadas no Brasil e nos Estados Unidos.

Em uma delas — a mais empregada aqui —, retira-se do couro cabeludo uma faixa de cabelo, que posteriormente se tratará e cujos fios se transplantarão na área receptora.

Para quem é indicado o transplante capilar

A cirurgia de transplante capilar indica-se para homens e mulheres desde que a causa seja de origem genética e hormonal. Em contrapartida, não se faz em quem perdeu cabelos por quimioterapia ou gestação por se tratar de período transitório.

Procedimento cirúrgico

A FUT (Follicular unit transplantation) compreende retirada de uma faixa de couro cabeludo (de acordo com a elasticidade) de uma orelha a outra, sem necessidade de se rapar a cabeça, única forma de a cicatriz resultante ficar aparente. Então, separam-se os fios um a um para posterior implante, também individual.

Região capilar doadora

Majoritariamente os calvos possuem uma faixa de cabelo remanescente nas regiões occipital (atrás da cabeça) e temporal. Como a frontoparietal tem receptores sensíveis à di-hidrotestosterona, extraem–se fios de locais sem essa sensibilidade. O fio implantado cresce normalmente como os demais cabelos, sem rejeição.

Transplante capilar como procedimento minucioso e artesanal

O índice de perda de folículos capilares transplantados é por volta de 5%. Destarte, se se implantarem sete mil fios, perdem-se mais ou menos trezentos e cinquenta.

Em procedimento artesanal e minucioso, conta-se com o apoio de profissionais bem-treinados, alguns responsáveis pelo corte dos fios um a um.

O cirurgião usa lupas que aumentam três a quatro vezes, porque deve colocar os fios bastante próximos uns dos outros para conferir aspecto natural.

Um mês após o procedimento, os fios caem e dão a impressão de a área calva ter ficado pior, mas, depois de três meses, o cabelo volta a crescer. Nove meses após, o indivíduo tem uma cabeleira nova, pronta para se cortar normalmente.

Ainda há muito receio quanto ao transplante capilar, uma vez que as técnicas antigas imprimiam aparência de cabelo de boneca, como popularmente se dizia. Hoje, entretanto, os resultados são tão naturais, que é possível encontrarmos na rua pessoas que passaram por ele, sem jamais desconfiarmos disso, visto que imperceptível.

Recuperação da auto-estima

É difícil alguém, antes calvo, arrepender-se da cirurgia, no entanto é preciso submeter-se a ela com profissional capacitado, atuante no mercado e membro da Associação Brasileira de Cirurgia da Restauração Capilar. O resgate da autoestima e da aparência é muito significativo, porque a calvície é normalmente o primeiro sinal de envelhecimento masculino.

Duração da cirurgia

A cirurgia dura de seis a oito horas. O paciente, sedado e com anestesia local, dorme durante todo o processo.

Reincidência da cirurgia

Repetir o procedimento depende do grau de calvície: se extensa, pode precisar de até três ou quatro; se inicial, em geral, um único é suficiente. Indivíduos com alopecia areata, portanto perda difusa dos fios, não são candidatos à cirurgia, porque ela não os beneficiará.

Realiza-se esse transplante só com fios de cabelo da própria pessoa para não haver rejeição.

Cuidados e exames pré-operatórios

Antes de operar, solicitam-se exames e analisa-se a parte cardiovascular. Problemas de saúde estudam-se. Se portador de diabetes e/ou hipertensão, porém controlados, o indivíduo pode submeter-se à cirurgia; se já sofreu infarto também, desde que com os exames regularizados.

Contraindicações

Se o paciente tiver sofrido infarto há menos de um mês ou estiver com a pressão descontrolada, não deve passar por transplante capilar.

Cuidados pós-operatórios

Recomenda-se repouso relativo nos primeiros quatro dias para se retornar às ações cotidianas. Porém, durante trinta dias, o paciente não deve expor-se excessivamente ao sol para evitar marcas de cicatrizes, nem praticar exercícios que agridam a cabeça, como cabecear bola, nem frequentar saunas.

Atividades físicas mais intensas, como musculação, e uso de capacete podem-se retomar após quinze dias ou quando se tirarem os pontos.

Tratamentos estéticos capilares

Passados vinte dias do transplante, o paciente já pode fazer escova progressiva ou inteligente, tintura, hidratação, etc. Como o cabelo transplantado pertence ao próprio paciente, não há rejeição: ele não cai e segue o curso natural, isto é, pode embranquecer, por exemplo, e ser tingido ou alisado.

Dor após a cirurgia

Dor de cabeça ou outras durante esse procedimento são mitos. No pós-operatório, utilizam-se analgésicos comuns, como dipirona e paracetamol, por dois dias, no máximo.

O máximo de desconforto que se pode ter é, na região frontal, um edema, que depois desce para os olhos. Isso ocorre em cerca de 40% das pessoas e dura dois dias. Então, se operada na quinta-feira, o edema surgirá nela no sábado e, entre segunda e terça-feira, já terá desaparecido.

Cuidados na lavagem do cabelo após a cirurgia

O paciente banha-se no dia seguinte à cirurgia, mas com certos cuidados: não esfregar o local afetado, usar água morna ou fria e xampu neutro ou para bebês, porque não têm toxinas, apenas ressecam um pouco os cabelos.

Diferença entre fios finos e grossos no resultado do transplante

Fios finos conferem ar mais natural ao transplante, porém, como desvantagem, também menor volume, ou seja, como dez deles ocupam menos espaço que dez grossos ou crespos, é necessário transplantar mais unidades.

Visibilidade da cicatriz

Depois da FUT, se o paciente rapar a cabeça, a cicatriz linear ficará visível.

Artigo anterior10 dicas para acabar de uma vez por todas com a queda de cabelo
Próximo artigoMitos e verdades sobre queda de cabelo
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).