Cravos e espinhas

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Cravos e espinhas

As glândulas sebáceas produzem um óleo que, pelos poros, chega à superfície da pele, lubrifica-a e protege-a. O contato com o meio externo oxida-o e forma-se um cravo preto. Posteriormente, as bactérias que temos na pele proliferam naquela área e muitas vezes causam uma espinha.

Mesmo mulheres sem acne podem ter cravos, pelo hábito de não remover maquiagem e dormir com ela no rosto, o que fecha os poros e cria predisposição aos cravos, que podem transformar-se em espinhas, porque é à noite que a pele se renova e a circulação é mais intensa.

Como acabar com cravos

Quem só tem cravos não deve tentar extraí-los com os dedos, mas efetuar limpeza adequada de pele. O profissional usa produtos especiais para dilatar os poros e luvas, para espremer os cravos.

Há um ciclo natural de cicatrização, ou seja, mesmo que não se esprema a acne ou não se utilizem aqueles produtos, o organismo sempre encontra uma forma de recuperar a parte debilitada do corpo. Ao pressionar o cravo ou a espinha, o indivíduo muda esse curso, porque deposita sobre a pele outras bactérias, trazidas pelas mãos, ainda que lavadas, e provoca inflamação intensa, reação que, para regenerar a pele mais profundamente, amplia a probabilidade de cicatrizes definitivas, em vista também da dificuldade se tratar.

PUBLICIDADE


Como acabar com espinhas

A acne é a evolução de um cravo, que se ajuda a eliminar com prevenção: tratamento tópico e higienização com sabonete próprio, além de limpezas de pele.

Isso reduz a atividade da glândula sebácea, destrói, como queratolítico, a queratina (que age como tampão) e facilita a saída do sebo. De acordo com a inflamação, é frequente administrarem-se antibióticos e outros medicamentos de propriedades antibacterianas ou anti-inflamatórias.

Consequências psicológicas da acne

Há relatos de pessoas que tinham 17 anos quando a acne começou a incomodar. Às vezes, a acne aparece mais cedo. Dentro da escola existe muito bullying por causa da acne.

Às vezes, os pais acreditam que não é necessário um tratamento para a acne, que não é uma doença. Há pessoas que decidem procurar um tratamento por causa de depressão causada pela acne, pois se afastavam dos amigos mais próximos, ficavam mais sozinhas e não tinham um convívio social que deveriam ter na adolescência.

Há relatos de pessoas que chegaram a tentar o suicídio por causa da acne. Uma pessoa relata que a acne durou na sua vida durante 8 anos, e que tentou o suicídio aos 23 anos. A pessoa não conseguia estudar, não conseguia conviver com ninguém, não saía de casa e se escondia de todos. Ao procurar uma clínica, a pessoa respondeu um questionário sobre o que a acne realmente estava causando na sua vida. A pessoa ficou 1 ano se tratando e tudo mudou.

A acne tem cura e deve-se procurar a ajuda certa. Não se deve procurar ajuda de terceiros que não entendem sobre a acne. A pessoa não deve entrar em desespero, e os pais devem entender e colaborar com isso.

Evoluções no tratamento da acne

Antigamente, não existiam os medicamentos que existem hoje para a acne. Existiam alguns líquidos muito alcoólicos que ardiam e tinham cheiro forte, que secavam e desengorduravam a pele. Não era conhecido o conceito que se tem hoje de que quanto mais desengordurar, pior. A pessoa tinha a impressão de que quanto mais passasse produtos adstringentes, mais seca ficava a pele, mas é o contrário, o organismo possui mais óleo. A limpeza de pele era muito traumatizante e deixava muitas marcas.

Existem tratamentos muito efetivos para a acne. O grande marco é a droga isotretinoína, que hoje é consagrada. São aproximadamente 33 anos usando essa medicação, que é realmente a grande medicação para a acne em casos mais graves quando bem indicada. Hoje, não existe mais a necessidade dos jovens passarem pelo sofrimento da acne.

Aparecimento da acne nos jovens

A acne aparece no adolescente porque os hormônios sexuais começam a aumentar a glândula sebácea, gerando muito óleo. A acne começa em torno dos 11, 12, 13 anos. O grande preconceito é achar que vai passar com a idade, pois não passa – vão ficando marcas, a pessoa vai cutucando e deixando cicatrizes.

Pais, adolescentes e escolas tem que entender que a acne é uma doença que precisa ser tratada, não só nas meninas mas também nos meninos.

Os meninos têm mais acne – por volta de 60% dos meninos e 40% das meninas. Os meninos têm acnes mais graves porque a glândula sebácea é maior e devido aos hormônios sexuais masculinos.

Todos são bastante prejudicados. A procura nos consultórios pelo tratamento de acne é meio a meio entre meninos e meninas.

Hoje, os jovens estão mais informadas, assim como as mães, e os pais perderam o preconceito de que a acne irá passar com a idade. A acne deve ser tratada logo, pois é um tratamento longo e uma patologia crônica, que não se resolve da noite por dia. É necessário ter calma, tentar relaxar e tentar passar por essa situação com o apoio em casa e do dermatologista.

Recomendações em casos de acne

Toda espinha um dia foi um cravo, porém não necessariamente todo cravo se torna uma pústula.

Os médicos não acreditam em automedicação ou em medicações caseiras (como pasta de dente e pó de café) que não funcionam. O medicamento de um colega muitas vezes pode ser prejudicial para a pessoa. O tratamento da acne é bastante individual. Existem casos mais sérios em que a isotretinoína é fornecida ao paciente pelo SUS.

Não se deve cutucar as espinhas. Deve-se lavar o rosto duas vezes por dia.

Hoje em dia existem maquiagens excelentes para casos de acne. Existem produtos matificantes, que a pessoa pode passar, a pele irá respirar e não será necessário usar produtos muito pesados e maquiagens que sejam muito prejudiciais.

Quem tem acne deve passar filtro solar, mas um veículo adequado. A pessoa deve procurar os veículos em gel ou os que vem escrito “toque seco”, que são matificantes e tiram o brilho. A cosmética evoluiu muito junto com os tratamentos dermatológicos.

Existem lasers de luz azul que tiram a inflamação, e existem lasers fracionados para quem ficou com marcas, pois apesar da pessoa tratar podem ficar algumas marcas.  Os lasers fracionados não são aqueles lasers antigos que queimavam toda a pele e era necessário ficar uma semana em casa.

Possíveis causas da acne

Existe um grupo de mulheres que não tiveram acne na adolescência e só têm depois dos 20 anos, é a chamada “acne da mulher adulta”, às vezes relacionada a ovários policísticos, a outras alterações hormonais, a estresse ou medicamentos – como anabolizantes e vitamina b12, proteínas de suplementação que precisam de uma orientação.

Às vezes a pessoa tem acne não pelos hormônios da sua adolescência, mas pelo uso de medicamentos errados. Algumas pessoas têm que tomar anticonvulsivantes que causam acne. Alguns hormônios nas mulheres, como a cortisona, podem causar acne. Algumas pílulas anticoncepcionais podem ajudar, outras não. Há uma série de tipos de acne que necessitam de diagnóstico, mas todas são totalmente tratáveis e curáveis.

Duração do tratamento da acne

O tratamento da acne nunca leva menos de 1 ano. Em 1, 2 ou 3 meses a pessoa pode ter uma melhora, mas o controle total da acne leva pelo menos 1 ano. Depois, é necessária uma manutenção.  Assim como as pessoas vão ao dentista, fazem tratamento ortodôntico e usam aparelho por 2, 3 anos, e depois precisam de visitas regulares de manutenção, a mesma coisa é limpeza de pele quando é necessária. Assim como as pessoas vão ao dentista e retiram o tártaro para não terem cárie, a retirada mecânica das lesões inicias da acne também é necessária.

Limpeza de pele

Uma limpeza de pele malfeita pode piorar o quadro. Nunca se deve começar um tratamento de acne com uma limpeza de pele, pois não irá adiantar. Primeiro, deve-se consultar um dermatologista, que dará medicações que facilitam a retirada dessas lesões, e tudo ficará mais fácil.

A acne é um problema sério que afeta o psicológico das pessoas.

Incidência de acne na população

A acne é hereditária. Se um dos pais teve acne, há 50% de chances do filho ter. Se o pai e a mãe tiveram, há 100% de chance do filho ter.

Aos 10, 11, 12 anos, a oleosidade da pele começa a aumentar. Os testículos e os ovários formam os hormônios masculinos, os andrógenos, que aumentam o tamanho da glândula sebácea, que produz mais óleo. São por volta de 24 milhões de adolescentes com acne no Brasil – em comparação com a hepatite C, que só tem 3 milhões. É um problema de saúde pública, não é um problema de beleza.

Cuidados básicos com a acne

Um produto básico para o tratamento da acne é um sabonete para pele oleosa ou acneica. O ideal é lavar duas vezes por dia, no máximo 3, pois o excesso de lavagem pode piorar. A água deve ser morna para fria, pois a água quente também piora, assim como o sol. A pessoa tem a impressão de que o sol irá secar a pele, mas seca por uma semana, tem um efeito anti-inflamatório que dura uma semana, e a pele engrossa, pois se defende com o bronzeado, tampa os poros, piora o cravo e vira acne. A acne muitas vezes é tratada com medicamentos. Os graus inicias são tratados com medicação tópica, e graus inflamatórios com antibióticos e gruas mais graves com a isotretinoína.

Artigo anteriorCravos
Próximo artigoDicas para espinhas
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).