Como se forma a celulite

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Fisiopatologia da celulite

A pele divide-se em epiderme (parte superficial), derme (média) e hipoderme ou tecido celular subcutâneo (profunda), local em que estão os adipócitos, células que armazenam gordura e das quais retiramos, quando necessário, energia de reserva.

O adipócito libera glicerol e ácidos graxos na corrente sanguínea em volta dele; ela, por sua vez, leva a gordura para os músculos consumirem.

Os adipócitos são envolvidos por colágeno, tecido conjuntivo que ancora a hipoderme e se une à derme papilar, portanto também se apresenta entre a hipoderme e a epiderme, espaço em que há estruturas chamadas traves fibrosas, compostas por colágeno.

No início, a celulite provoca um edema na trama subcutâneo em virtude do acúmulo de líquido, causado pelo estrógeno, entre os adipócitos, que, à medida que se movimentam, puxam as traves fibroses para baixo e produzem depressões na superfície da pele: as celulites de grau 1 e 2.

PUBLICIDADE


A celulite torna-se inflamação não no início, mas a partir do grau 3, quando, em razão do aprofundamento dos sulcos cutâneos, começa a exibir aspecto similar ao da casca da laranja.

Como tratar a celulite

A maioria dos ativos usados para tratar celulite age na circulação entre os adipócitos e ocasiona vasodilatação, que aumenta a permeabilidade capilar e diminui o edema subcutâneo, contra o qual o melhor procedimento é a drenagem linfática.

Artigo anteriorComo evitar celulite
Próximo artigoDrenagem linfática para celulite
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).