Como funciona o transplante de barba

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Como é realizado o transplante de barba

Transplantam-se pelos para a barba depois de extrair os folículos capilares da região posterior da cabeça. Isso se indica para homens que queiram ampliar a densidade dela ou aprimorar-lhe o delineamento. Além de o resultado ser natural, a adoção da técnica FUE (Follicular Unit Extraction) não deixa cicatrizes aparentes na área doadora, que cede os fios utilizados no transplante.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

Atualmente, a técnica robótica, por meio da qual a retirada dos folículos é milimétrica, aumenta a quantidade de folículos viáveis e possibilita barba mais cheia.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

Em virtude da anestesia local, a cirurgia é indolor e conclui-se em sete horas.

Depois, o paciente deve evitar atividades físicas durante aproximadamente uma semana, porém pode retomar as corriqueiras após dois ou três dias.

PUBLICIDADE


Resultados

Os fios implantados caem, mas o bulbo capilar fica e então eles nascem e crescem permanente e continuamente, ou seja, vai ser preciso fazer a barba, se o indivíduo assim desejar.

Indicações

O transplante de barba, realizado principalmente em pessoas com cicatrizes faciais, falhas ou com pouco volume, aumenta no país.

Procedimento cirúrgico

Cirurgia simples, faz-se em ambiente hospitalar sob anestesia local e sedação. Assim como no transplante capilar, retiram-se os fios da região posterior do couro cabeludo e implantam-se no local desejado. Nessa área, as cicatrizes, se porventura surgirem, serão mínimas, porque, na intervenção, se utilizam microagulhas.

Pós-operatório

O paciente recebe alta no mesmo dia do procedimento. Vermelhidão e pequenos hematomas podem ocorrer no pós-operatório, mas desaparecem em quarenta e oito horas.

A partir do vigésimo primeiro dia, os fios implantados caem para o crescimento de novos, que despontam cerca de três meses depois do transplante. Uma vez nascidos, eles não caem mais porque não carregam consigo a genética da calvície.

Dados sobre o transplante de barba

Nos últimos anos, houve aumento considerável de transplantes de barba. Os interessados querem preencher pequenas falhas e cobrir cicatrizes de acne ou lábio leporino, porém o maior público é de imberbes.

Transplante de barba com técnica FUT (Follicular Unit Transplantation)

Com pós-operatório simples, tecnicamente, é cirurgia complexa em virtude da angulação e do direcionamento dos fios e de uso apenas de unidades foliculares de um fio.

Um dos motivos da predileção pela FUT é a possibilidade de transplantar fios longos. Assim, ao fim, o paciente pode ter uma prévia do resultado. Nessa técnica, retira-se pequena faixa de couro cabeludo da região posterior da cabeça, o que provoca cicatriz linear.

Crescimento e característica da barba após o transplante

Depois de qualquer tipo de transplante, de cabelos, barba ou sobrancelhas, caem os fios transplantados durante os primeiros três meses, após o que eles voltam a crescer. O resultado pode-se observar depois de cerca de doze.

Após o transplante, o paciente pode utilizar a barba como preferir, no estilo cerrado, comprida ou totalmente rapada, já que, em razão das microincisões para enxertar os fios, não fica nenhuma lesão evidente.

Artigo anteriorTransplante capilar de uma pessoa para outra
Próximo artigoEvolução do implante capilar
CRM: 130475. Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008). Residência médica em cirurgia plástica pelo Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (2014-2017). Residência médica em cirurgia geral pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008-2010). Pós-graduação em reconstrução mamária pelo Hospital Pérola Byington (2017-2018). Pós-graduação em dermatocosmiatria pela faculdade de Medicina do ABC Paulista FMABC (2017-2018). Especialização em Oxigenoterapia Hiperárica pela Sociedade Brasileira de Medicina Hiperbárica (2016).