Como acabar com as espinhas

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Como se livrar das espinhas

Limpeza de pele contra acne

Há dois tipos de tratamento para acne. O primeiro é a limpeza de pele. É importante lavar o rosto (ou as regiões afetadas) diariamente com sabonete específico, mas apenas uma vez pela manhã e outra à noite; mais do que isso pode comprometer a terapêutica. Também se deve evitar água quente, que ocasiona vermelhidão, resseca a pele, origina coceiras e, consequentemente, feridas. Por outro lado, água morna ou gelada ajudam a aliviar o problema.

A esfoliação semanal ou o peeling higienizam a pele. Algumas pessoas também recorrem a vaporizadores, que, emitindo uma espécie de neblina sobre o rosto, abrem os poros, e sugadores, que auxiliam a remover a acne. Esses procedimentos são menos acessíveis financeiramente.

Tratamento medicamentoso da acne

O medicamento, apropriado para cada caso, só um dermatologista pode receitar, comumente por via oral, mas com efeitos colaterais intensos. Alguns até levam à depressão ou a síndromes de ansiedade.

Por essas razões, é bom ficar atento a sintomas relacionados a doenças psicológicas e, a partir daí, buscar tratamento psiquiátrico ou terapêutico. Desse modo, é possível cuidar simultaneamente da pele e do aspecto emocional, já que pessoas com acne avançada geralmente exibem baixa autoestima.

PUBLICIDADE


Tratamento da acne com isotretinoína

A acne decorre do sebo excessivo que, produzido pelas glândulas sebáceas, obstrui os poros e cria ambiente propício para a colonização de bactérias, que provocam infecção. A isotretinoína age na causa da doença, destruindo as glândulas sebáceas, e toma-se de acordo com o peso do paciente.

A cura de acne com isotretinoína chega a 80%, porém, embora considerado como o único procedimento definitivo, não é o único.

Mulheres que optem pelo uso dessa substância devem respeitar intervalo de dois meses entre a suspensão do consumo e a gravidez, mas há médicos que pedem às pacientes esperarem seis meses, porque, se engravidarem durante o tratamento, há risco de má-formação fetal.

Alimentação no combate à acne

Para combater a acne, além de se deve consultar com um dermatologista, cuidar da pele com cosméticos, fazer limpeza de pele e não tomar muito sol, também pode-se prevenir a acne com a alimentação.

Existem alimentos que favorecem a acne – principalmente os que geram gordura, que são muito ricos em carboidratos simples –, como arroz refinado (arroz branco), pão refinado (pão branco) e os doces. Existe uma substância que as pessoas conseguem consumir na alimentação, mas normalmente suplementam, que é o cromo, cuja falta deixa o excesso do carboidrato circular no sangue, o que gera processo inflamatório e a partir daí a acne pode surgir.

Carnes, leites e derivados também estimulam a produção de um hormônio de crescimento de insulina, chamado IGF-1, e fazem com que a glândula sebácea fique acumulada e estoure em formato de acne. A gordura na alimentação tanto é prejudicial para a saúde, por entupir as veias, aumentar o colesterol ruim e uma série de outros problemas, como também aumenta a condição da espinha. A oleosidade da pele pode estar ligada a um excesso de gordura na alimentação. Porém, também existe a gordura boa, os ácidos graxos, como ômega 3, linhaça, óleo de girassol e de soja.

Para ter uma pele íntegra, é necessário ter uma boa alimentação e uma boa quantidade de gordura boa para formar uma barreira protetora e não ter nenhuma perfuração, por exemplo o cravo, que nada mais é do que um ácaro que acabou infiltrando na pele.

A gordura boa pode ser encontrada principalmente nos peixes ou suplementada com cápsula.

Foi comprovado que pessoas, principalmente adolescentes, que tem esse distúrbio hormonal, o tem por falta dessas gorduras boas no corpo e por isso têm mais tendência a ter acne.

As oleaginosas, como feijão e a soja, também combatem a produção do sebo. Os carboidratos integrais ajudam na diminuição dos índices glicêmicos.

Essas recomendações são boas não só para quem tem muita acne, mas também para quem tem uma acne menos frequente porém maior e mais agressiva, que deixa a pele marcada.

A hidratação também é importante para a pele não ficar tão oleosa, com água ou água de coco, que garante outros minerais que ajudam no processo anti-inflamatório e na cicatrização.

Índice glicêmico

Todo alimento tem açúcar, e o índice glicêmico é a velocidade que esse açúcar é absorvido pelo sangue. Quanto mais refinado, quanto mais açúcar tiver um alimento, mais rápido esse açúcar será absorvido, causando um processo inflamatório que pode gerar acne. Se o índice glicêmico for de médio a baixo, como nos grãos integrais e cerais, esses alimentos serão absorvidos pelo organismo de maneira lenta, não gerando um processo inflamatório e também ajudando a emagrecer.

O frango grelhado às vezes tem um pouco de gordura que deve ser retirada para não gerar um processo inflamatório.

Consumo de vitaminas

Algumas vitaminas ajudam a proteger a pele, como a vitamina C, que ajuda no fortalecimento da membrana da célula, e a vitamina E que ajuda no processo de cicatrização. O zinco pode ser encontrado em vegetais folhosos escuros, e selênio e magnésio podem ser encontrados nas castanhas. O zinco, o selênio, o magnésio e as vitaminas do complexo B que são desse grupo ajudam no processo de cicatrização e a manter a integridade da pele.

A vitamina A é excelente fotoprotetora, porém, em excesso, é precursora do hormônio do crescimento e também estimula a produção de óleo pelas glândulas sebáceas.

Se a pessoa consome vitamina A em excesso, também acaba tendo um processo inflamatório. A vitamina A previne mas não trata a acne. Essa vitamina pode ser encontrada no tomate, na cenoura e, em geral, em alimentos de cor alaranjada, amarelada e avermelhada – os betacarotenos, que devem ser ingeridos com parcimônia – quem tem muita acne deve comê-los de maneira equilibrada para não gerar um processo inflamatório.

A vitamina E ajuda a regular o nível da A no corpo. Se a pessoa tiver uma alimentação balanceada, conseguirá controlar esses excessos.

Gordura do leite

O leite integral tem muita gordura e gera um processo inflamatório em quem tem acne, além de outros problemas. O leite integral é recomendado para crianças que não têm excesso de peso para garantir a quantidade de cálcio e outros nutrientes, mas a partir de certa idade, principalmente para quem tem problemas de saúde, como colesterol, não é recomendado.

Um copo de 200ml de leite integral tem muita gordura – se for desnatado há muito menos gordura –, e há pessoas que ainda colocam chocolate nele.

O leite mais indicado é o desnatado. O semidesnatado tem quantidade pequena de gordura, então pode ser consumido por quem não está fazendo dieta, mas com orientação profissional.

Acne da mulher adulta

Hoje em dia existe muito a chamada “acne da mulher adulta”. São mulheres que nunca tiveram acne e vem a ter na fase adulta, ou que tiveram uma acne muito controlada com uma piora na fase adulta, ou que tiveram acne que dura até a fase adulta. Nesses casos, é fundamental fazer uma boa avaliação hormonal para verificar se não existem cistos ovarianos ou algum tipo de problema relacionado a pico de hormônios (como a falta de hormônio feminino e excesso de hormônio masculino). Em geral, muitas mulheres têm também uma irregularidade da menstruação, o que indica cistos ovarianos (a síndrome do ovário policístico). É feito um ultrassom, verificando que há vários cistos ovarianos.

Artigo anteriorTipos de prótese capilar
Próximo artigoAlimentação espinhas
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).