Colágeno para estrias

Como as estrias surgem

As estrias nada mais são que células de fibroblastos que constroem a fibrina, que elabora o colágeno da pele. A estria é uma tentativa de recuperação de grande estiramento da pele (talvez pelo aumento de peso). Grávidas apresentam muitas estrias na barriga porque a pele esticou e voltou. Algo precisa cobrir aquela parte, senão a pele não consegue espichar. Pode-se depositar fibrina nesse local, nas cicatrizes e nos queloides. Os fibroblastos e o colágeno são imprescindíveis para cicatrização. Chama-se o colágeno para a agregação plaquetária, utilizando-se as fibrinas.

PUBLICIDADE


Como tratar as estrias

A estria é uma fibra de colágeno e elastina que se retesou demais e se rompeu. Deve-se estimular o organismo a produzir fibra nova de colágeno para repor a dilacerada. Hoje, um tratamento tópico à base de ácido retinoico e derivados em longo prazo estimula o corpo a fabricá-la. Também há equipamentos a laser que também fazem esse incentivo.

Quanto mais nova a estria, melhor será o resultado. Quando é muito recente e vermelha, ela desaparece 100%. Se mais antiga, às vezes não some toda, mas o aspecto fica melhor.

Formação e tratamento da celulite

A celulite provém de uma deficiência de circulação e também de algumas traves de fibrose, colágenos que compactam a pele. Isso leva aquela gordura a se acumular e o sangue não consegue drenar. Então a celulite também se vincula ao colágeno. É uma inflamação do tecido que impulsiona essas traves.

Há tratamento para a celulite. É necessário ajudar a fibrose a amolecer para o sangue circular até a área da inflamação e amenizar o problema.

PUBLICIDADE


Alimentos que combatem a flacidez

Não há alimento específico que contribua com o combate à flacidez cutânea. O fato é que as dosagens de carboidratos, lipídios (gorduras) e proteínas do corpo precisam estar equilibradas. Como desempenham papel estrutural, as proteínas são mais eficazes na eliminação da flacidez, no entanto a ausência de água, minerais ou qualquer outro item do ciclo biológico compromete a inibição dela.

Artigo anteriorColágeno: mitos e verdades
Próximo artigoColágeno para pele
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).