Climatério

O que é o climatério?

Considera-se que a mulher entrou na pós-menopausa depois de um ano em que ficou sem menstruar.

PUBLICIDADE


O período de transição em que a mulher oscila – às vezes menstrua, às vezes não – é chamado de climatério. A mulher pode estar menstruando normalmente e de repente ter alguns sintomas que podem prever que ela está próxima de entrar nessa transição, como os fogachos (ondas de calor).

A fase de transição é a mais sofrida, e na pós-menopausa os sintomas tendem a aliviar, o principal deles são os vasomotores – ondas de calor que vem da cintura para cima, são intensas e pode durar minutos. Há mulheres que ficam ruborizadas, com sudorese profunda, etc. 70% delas têm esses sintomas. Passadas as ondas de calor, a mulher sente frio.

Pesquisas mostram que em São Paulo e Campinas a idade média para início da menopausa é em torno de 50 anos. Antes de 45 anos, a menopausa é considerada precoce, e com mais de 55, tardia.

Todo mês, a mulher produz óvulos e entra no período fértil. Com o tempo, o ovário começa a falhar e surgem alguns ciclos anovulatórios, ao contrário do homem, que nunca para de produzir espermatozoides.

PUBLICIDADE


Ocasionalmente, ela não menstrua, o ciclo atrasa e, de repente, o fluxo menstrual volta com toda força. Nessa fase de menstruação irregular, a mulher pode engravidar. Há relatos de uma mulher de 50 anos que achou que estava entrando na menopausa, porém, estava grávida. Deve-se tomar cuidado, pois o corpo não está tão preparado para gestar nessa fase.

Todas as mulheres passarão pela menopausa, que pode ser acompanhada de calores pelo corpo, suores noturnos, falta de libido, alterações de humor, queda de cabelo, etc.

Porém, cerca de 10% das mulheres têm menos sintomas.

Para considerar que está na menopausa, o ciclo menstrual deve ter cessado por um período de 12 meses, que cursam com os sintomas do climatério, que advêm do hipoestrogenismo e marca o final da vida reprodutiva da mulher.

A mulher começa a menstruar na menarca, que marca o início da vida reprodutiva dela, e produz hormônios importantes para a pele, para os cabelos, para o sistema cardiovascular, para a fisiologia da remodelação óssea e para a parte emocional.

Todos os sintomas do climatério vêm com a queda desses hormônios, principalmente do estradiol, da progesterona e um pouco da testosterona (produzida pelo ovário durante o período reprodutivo).

Na menopausa, estradiol e progesterona ovariana param de ser produzidos. No climatério, isso acontece de forma relativamente lenta, por volta dos 40 anos, os ciclos começam a ficar mais curtos, o fluxo menstrual diminui e não existe mais aquela periodicidade que a mulher estava acostumada.

Às vezes o climatério se manifesta com sintomas de depressão e ansiedade, e a causa é hormonal e não tratada somente com antidepressivos.

Também ocorre diminuição da disposição. A mulher que antes dava conta de várias atividades, de repente não tem mais vontade de fazê-las.

Outros sintomas deixam pele e vagina secas (esta dificulta a relação sexual).

A manifestação dos calorões (nem sempre intensos) é um sintoma clássico do climatério.

O climatério dura cerca de 3 anos, porém, existem mulheres que sofrem com os sintomas dele por até 10 anos, sem procurar tratamento, porque acreditam que aquilo é fisiológico. De certa maneira é, porém, como a vida da mulher e a medicina evoluíram muito, se houver indicação não há razão para não se tratar.

Tratamento dos sintomas da menopausa

O tratamento se baseia principalmente na reposição hormonal, que pode ocorrer por várias vias: transdérmica, oral ou subcutânea. É possível repor diferentes tipos de hormônios.

Os médicos objetivam repor principalmente o estradiol, o principal hormônio que faz com que a mulher melhore. Hoje, também se considera a reposição da testosterona, que cada vez mais tem se mostrado importante na qualidade de vida, tanto sexual quanto profissional, da mulher.

Em quem não retirou o útero, pode se considerar repor, em menor periodicidade, a progesterona, evitando complicações, principalmente neoplásicas.

Opções de reposição hormonal

Algumas pacientes têm contraindicações ao uso do estradiol, por exemplo, na forma de implante hormonal ou via oral. Pode-se recorrer também à hormônios bioidênticos.

Algumas doenças cardiovasculares, que são exclusivamente do homem até cerca dos 50 anos, começam a se manifestar na mulher justamente pelo hipoandrogenismo.

No caso da osteoporose e da osteopenia, o estradiol também é importante para a remodelação óssea.

Fazendo reposição hormonal, a mulher não trata somente os sintomas da menopausa, como também algumas doenças estrógeno dependentes.

Na maioria das vezes, as mulheres que tiveram algum tipo de câncer não podem fazer reposição hormonal. Porém, medicamentos que não contêm hormônios podem ser administrados em mulheres que tiveram câncer de mama ou fizeram tratamentos como quimioterapia.

Existem vários medicamentos para o climatério e a menopausa e que não são hormônios, principalmente que agem no sistema nervoso central ou que auxiliam na produção hormonal – não tão eficazes quanto a reposição hormonal, mas que também proporcionam melhora na qualidade de vida.

Artigo anteriorCalor da menopausa
Próximo artigoClimatério e menopausa
CRM: 81139. Médico Ginecologista e Obstetra da Notre Dame Intermédica (2013-atual). Médico Ginecologista do Complexo Hospital Edmundo Vasconcelos (2012-atual). Coordenador da Clínica Ginecológica Hospital Dom Antonio de Alvarenga (2008-atual). Médico Ginecologista da Prefeitura Municipal de Mauá (2002-atual). Médico Ginecologista da Unidade Básica de Saúde Vila Oratório (1999-2011). Médico Ginecologista e Obstetra da Organização Mogiana de Educação e Cultura (1998-2000). Médico plantonista do Pronto Socorro Municipal de Pindorama (1995-1996). Médico plantonista da Maternidade da Santa Casa de Misericórdia de Mauá (1997-2003). Professor da USC Centro Universitário São Camilo (2015-atual). Residência médica pelo Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (1997-1998). Residência médica em Obstetrícia e Ginecologia pela Faculdade de Medicina de Catanduva (1995-1997). Graduação em Medicina pela Universidade do Estado do Amazonas (1989-1994).