Clareamento dental: técnicas e conceitos atuais

Técnicas de clareamento

Há três técnicas de clareamento dental. Na caseira, o indivíduo usa uma “placa” em casa; na segunda, feita em consultório, há aplicações com seringas e a terceira associa as duas primeiras.

PUBLICIDADE


Novos materiais para diminuição de sensibilidade dental

O clareamento de consultório dispõe de materiais que não empregam o laser, responsável por sensibilidade dental em alguns pacientes, mas outros materiais, entre os quais o HP Blue da FGM, peróxido de hidrogênio concentrado a 35% com cálcio na composição. A maioria das pessoas necessita desse produto em concentração alta.

Processo de clareamento por uso de gel

Os produtos que dispensam o laser são autoclareadores. O gel, composto por peróxido, penetra no esmalte até a dentina, parte interna do dente.

Por ser externo e de impossível reconstituição, o esmalte deve ser protegido. Contudo métodos de remineralização, com flúor e outras substâncias, restituem os minerais que o agente clareador retirou para atingir a dentina.

Em alguns pacientes cuja massa dentinária é maior e mais amarelada, esse procedimento clareia os dentes, mas não os branqueia totalmente.

PUBLICIDADE


Uso de laser e sensibilidade dental

Acreditava-se que o laser ativava as moléculas de oxigênio, tornando o dente mais claro, no entanto estudos demonstram que são elas as responsáveis pelo clareamento gradual da dentina, assim, o laser é dispensável, também por ser coadjuvante no aguçamento da sensibilidade em virtude do aquecimento do dente, em cujo interior há enervações e vasos sanguíneos.

À medida que o gel penetra no dente, a dentina – supersensível e agente da dor por se situar muito próximo da polpa – reage pelas células sanguíneas. O organismo entende a ação do gel como agressão pela acidez do peróxido e assim tanto o calor como o gel provocam resposta na polpa do dente com aumento da sensibilidade.

Prevenção da sensibilidade

Métodos preventivos da sensibilidade dentária incluem anti-inflamatórios e flúor. Além disso, ao mesmo tempo que o gel clareador entra no dente removendo minerais, ele também os repõe, reduzindo essa sensibilidade, com resultado satisfatório e seguro. Não são todos os casos de clareamento que causam sensibilidade e, mesmo quando ocorre, ela é passageira.

O clareamento em consultório indica-se para quem não apresenta fratura de esmalte ou desgaste dentário. Ademais, o gel clareador não deve entrar em contato com os tecidos moles, por isso se deve selar a gengiva antes de aplicá-lo.

Clareamento caseiro

Para o clareamento caseiro, molda-se placa que o indivíduo leva para casa e sobre a qual põe, com seringa, pequena quantidade de gel nos espaços correspondentes a cada dente e usa-a ajustada a eles por até duas horas, tempo suficiente para o oxigênio atravessar os dentes e clareá-los.

Esse gel é composto por peróxido de carbamida, que, na superfície do dente, se quebra e transforma-se em peróxido de hidrogênio cujo efeito é mais duradouro.

Duração do procedimento

Recomenda-se o clareamento caseiro para quem não dispõe de tempo para ir ao consultório, onde a sessão dura entre uma hora e uma hora e dez minutos e se deve repetir no máximo cinco vezes, em vista do grau de saturação do dente. O número de aplicações depende do resultado almejado e da capacidade de clareamento dos dentes de cada um. Cabe ao dentista avaliar e determinar o melhor procedimento.

Associação de técnicas

Em quem tem dentes mais acinzentados podem associar-se as técnicas de clareamento caseiro e de consultório, o que amplia o tempo de contato do gel com o dente com melhores resultados, de acordo com cada caso.

Higiene bucal e prevenção

Para qualquer procedimento estético, inclusive de clareamento dental, a saúde deve estar em dia. Também é importante fazer higiene oral adequada, a gengiva estar livre de inflamações e o indivíduo não ter cáries nem fraturas de esmalte para a superfície do dente ficar brilhante e clara.