Clareamento dental a laser

Procedimentos de clareamento

Dentre os tipos de clareamento dos dentes, há o caseiro, em que o dentista produz moldeiras que o paciente usará com gel, diariamente em casa. Há também os feitos com luzes, dos quais o mais comum é a laser.

PUBLICIDADE


Clareamento dental e sensibilidade

A sensibilidade decorrente do clareamento dependerá do organismo de cada paciente e da técnica utilizada. Normalmente, o a laser provoca mais sensibilidade do que o com moldeira.

Atualmente, os géis são produzidos com dessensibilizante, o que reduz o desconforto. A avaliação clínica pode determinar o grau de sensibilidade em virtude de retrações originárias de traumas.

Clareamento dental e enfraquecimento dos dentes

No decorrer do tratamento, há perda mineral do dente e criam-se porosidades, porém revertidas pela saliva. Além disso, o fato de alguns géis disporem de cálcio na composição evita o enfraquecimento dental.

Funcionamento do clareamento a laser

O conjunto de produtos utilizados nessa terapêutica compreende corante, peróxido de hidrogênio, neutralizante e protetor gengival.

PUBLICIDADE


O gel do clareamento a laser aplica-se apenas em consultório; nunca em casa, porque é muito mais forte que o das moldeiras.

Para proteção contra a radiação do laser, usam óculos obrigatoriamente tanto o paciente quanto o profissional encarregado do procedimento.

O aparelho a laser tem também outras funções, como cicatrização, que se seleciona no menu da máquina. Neste caso, escolhe-se a do clareador com emissão de luz.

Antes da colocação do gel, após limpeza, introduz-se um dessensibilizante, que, como o próprio nome diz, reduz a sensibilidade, e aguardam-se dez minutos para ele penetrar no dente. Em seguida, remove-se o produto e aplica-se o protetor gengival na base de todos os dentes e põe-se um afastador para impedir que o gel queime os lábios e a língua.

Posteriormente, utiliza-se um fotopolimerizador de restaurações, necessário em razão do endurecimento do gel e do protetor gengival.

Mistura-se, então, um corante, que, no início, é vermelho forte, carmim, mas muda para verde no decorrer do clareamento, e o peróxido de hidrogênio.

Após espatular, insere-se esse material de cor arroxeada em toda a superfície dos dentes várias vezes e, se surgirem bolhas, passa-se novamente sobre elas. Nesse momento, o paciente já deve estar com os óculos.

Realiza-se esse procedimento nas arcadas superior e inferior na mesma sessão, que dura aproximadamente uma hora. Usa–se então o laser. Há aparelhos de laser em que se cronometra um minuto e meio para cada conjunto de dentes; outros, três minutos e meio, isso de acordo com o tipo de laser.

Como é indolor, às vezes o paciente dorme durante o tratamento em que, ao término, se retira o gel com um sugador cirúrgico, mas ainda não se enxágua.

Por fim, lavam-se e pulem-se os dentes. Se preciso, o paciente poderá retornar em cinco ou sete dias para nova sessão.

Clareamento ambulatorial

Prescreve-se clareamento ambulatorial para gestantes, fumantes (embora o fumo seja contra-indicado nesse tratamento) e pessoas com sensibilidade dentinária, trincas no esmalte, cáries, infiltrações e restaurações.

Esse procedimento é de tempo reduzido, portanto sugere-se também para quem tem urgência ou é indisciplinado para fazê-lo em casa.

O clareamento a laser é ambulatorial. Outras lâmpadas também se podem empregar: de halogênio, de iodo, de argônio e LED.