Calvície masculina e feminina

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Alopecia androgenética feminina e masculina

A alopecia androgenética (calvície) provoca diminuição lenta e progressiva da espessura e comprimento dos cabelos, um processo chamado de miniaturização, que no homem atinge principalmente o recesso bitemporal e o vertex do couro cabeludo, já na mulher, geralmente a perda dos fios é difusa. Porém, há homens com padrão feminino de calvície e mulheres com o masculino.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

É um quadro tão comum que afeta em maior ou menor grau cerca de 50% dos homens acima dos 50 anos e 50% das mulheres acima dos 60. Apesar da origem genética, ela pode pular gerações, acometer alguns membros da família e outros não.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

Ocasionalmente a calvície se manifesta de maneira discreta e o tratamento não é necessário, porém, ela pode ser intensa e precoce, gerando transtorno estético, principalmente nas mulheres.

Quanto mais cedo se inicia o tratamento, melhores tendem a ser os resultados dele. Há novidades no tratamento da calvície, por isso deve-se procurar um dermatologista para um diagnóstico e tratamento adequado.

PUBLICIDADE


Calvície masculina e feminina

A calvície masculina e a feminina tem causas hereditárias.

Há famílias em que muitos dos homens têm entradas proeminentes no couro cabeludo e áreas calvas no topo da cabeça, e ao invés de cobrirem essas falhas, alguns passam máquina 1 regularmente.

A calvície feminina tende a se manifestar mais com o avançar da idade, não costuma acometer vastas áreas do couro cabeludo, mas os fios podem ficar mais finos. Mesmo que a mulher tenha forte tendência genética à calvície, muitas vezes ela consegue driblar isso e melhorar a força dos cabelos. Quando a pessoa já tentou de tudo e a queda persiste, a causa muitas vezes é genética.

Artigo anteriorCalvície feminina
Próximo artigoCalvície: tratamento natural
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).