Calvície feminina

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Mulher fica careca?

A mulher também pode ter calvície, porém, nelas geralmente se verifica um afinamento dos fios com pequena visibilidade do couro cabeludo, não são comuns quadros de ausência total de cabelo como nos homens.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

A calvície feminina geralmente começa com um alargamento da risca onde se divide o cabelo, e aumenta progressivamente.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

Nas mulheres que têm o gene da alopecia androgenética, o fio de cabelo cai e nasce outro mais fino no lugar. Com o passar do tempo, o cabelo nasce tão fino que não consegue cobrir o couro cabeludo.

Se a pessoa tem familiares calvos e está percebendo que os cabelos estão ficando mais ralos e deixando o couro cabeludo à mostra, deve procurar um dermatologista. Quanto mais cedo o problema for diagnosticado e tratado, maior a chance de salvar os cabelos.

PUBLICIDADE


Queda transitória dos cabelos

O eflúvio telógeno provoca queda capilar temporária, e muitas vezes surge quando a pessoa está passando por estresse, desequilíbrio hormonal, ou realizando uma dieta alimentar mais rigorosa, mas, posteriormente, some quando a pessoa elimina esses fatores.

Fatores de queda de cabelo no pós-parto

No pós-parto, vários fatores podem influenciar na queda de cabelo, e a amamentação é o mais importante deles. Trata-se do momento em que a criança espolia da mãe, através do leite, uma grande quantidade de calorias, vitaminas e minerais essenciais para o crescimento dos cabelos, que acabam prejudicados.

Outro fator importante é o parto, principalmente se cesariano, em que pode-se perder grande quantidade de sangue e ter anemia ou diminuição da ferritina.

Por último, a perda de peso em grande quantidade nos primeiros meses do pós-parto também pode influenciar na queda dos fios.

Artigo anteriorCalvície faz mal?
Próximo artigoCalvície masculina e feminina
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).