Cabelo envelhece?

Atualizado em:

PUBLICIDADE


O cabelo envelhece com o tempo?

Não, mas as mudanças hormonais, tanto no homem quanto na mulher, fazem com que certas situações, como, por exemplo, a diminuição da produção de óleo pelas glândulas sebáceas no couro cabeludo, a diferença de pH do couro cabeludo, que muda com o decorrer dos anos, além das agressões físicas, como as do vento, da poluição, de tinturas e alisamentos. Você pode pintar o cabelo e fazer alisamentos, tanto com escova em casa ou no cabeleireiro, com escova progressiva ou relaxamentos, contanto que sejam com produtos aprovados pela ANVISA, sempre com o mesmo profissional, e que seja feito o teste da mecha do fio, ou seja, aplicar o produto (tinta ou alisante) numa parte do fio antes de aplicar no cabelo inteiro . Nunca realize os dois procedimentos juntos (tintura ou alisamento) juntos, sempre com intervalo mínimo de 20 a 30 dias entre eles.

O grande problema das progressivas são os profissionais que as aplicam de maneira incorreta  quando não conhecem as incompatibilidades entre os produtos, por exemplo, para um cabelo muito crespo deve-se usar um alisante chamado hidróxido, e para os menos crespos, pode-se usar um alisante chamado tioglicolato de amônia, porém, o hidróxido é incompatível com a amônia, então se o cabelo foi tratado previamente com hidróxido, e for aplicado nele amônia, o cabelo vai quebrar e a mulher vai perder cabelo.

Pode fazer escova progressiva desde que não tenha formal acima de 0,2%, glutaral até 0,1% de concentração, fazer o teste da mecha, e ao qualquer sinal de tosse, coceira ou ardor, interromper o procedimento e lavar a cabeça com água abundante, e se sentir falta de ar buscar um pronto socorro – porque pode haver aspiração do produto, que pode causar uma pneumonia química que pode levar à morte.

Artigo anteriorDiferença entre limpeza e clareamento dental
Próximo artigoPor que o cabelo cai e a barba não?
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).