Assa-peixe: benefícios e como usá-lo

Características do assa-peixe

O assa-peixe, de nome científico Vernonia polyanthes, é um arbusto muito comum em regiões de mata-atlântica, encontrado desde o litoral até o interior de São Paulo, principalmente em terrenos desmatados e em fase inicial de regeneração. Ele é uma das plantas pioneiras que ocupam espaços. Pode chegar à altura de 1,5m, 2m ou até mais, e é dono de flores arroxeadas.

PUBLICIDADE


As populações de assa-peixe formam grandes adensados, e as flores atraem muitas abelhas. As folhas delea, que são a parte mais utilizada, têm um sabor bastante amargo, por isso o chá dele é amargo. Ele é utilizado no Brasil há séculos, desde as populações indígenas originais até hoje.

Uso popular do assa-peixe

O assa-peixe é muito utilizado como diurético, para tratar pedras nos rins, inflamações gerais, problemas digestivos, reumatismo e problemas respiratórios (como bronquite, asma, gripe, resfriado, tosse e catarro), apesar de não existirem artigos que comprovem a ação do assa-peixe no sistema respiratório.

PUBLICIDADE
cursos sobre plantas medicinais cpt

Toxidade do assa-peixe

O assa-peixe não possui uma expressiva toxidade. Ele não causa problemas nos órgãos, sistemas, etc., tampouco provoca genotoxidade (mutações genéticas no DNA que podem levar ao câncer), desde que usado nas dosagens recomendadas.

Indicação de uso

A fórmula básica para um chá de assa-peixe é uma colher de planta picada para cada xícara de água. Pode-se tomar uma, duas ou três xícaras de chá ao dia, dependendo da intensidade do problema – não mais do que isso. Essa dosagem é o suficiente para um bom tratamento com qualquer planta medicinal, inclusive o assa-peixe, e assim não haverá risco à saúde. Porém, grávidas não devem fazer uso do assa-peixe, pois ele pode interferir no processo gestacional, apesar de não terem sido relatados abortos nem deformações fetais.

PUBLICIDADE


Ação analgésica e anti-inflamatória

O assa-peixe é um excelente anti-inflamatório e analgésico. Quando se está com alguma dor cirúrgica ou inflamatória, ele reduz a sensação de dor e a pessoa sofre menos.

Como anti-inflamatório, o uso do assa-peixe reduz os sintomas relativos à inflamação: o inchaço, o edema, o calor e a dor.

Aplicado topicamente sobre a pele o assa-peixe produz excelentes resultados, tanto para tratar dores inflamatórias, como em casos de artrite, reumatismo, dores nas articulações e dores musculares.

É possível preparar o chá do assa-peixe e, com uma toalha, fazer compressas sobre as áreas afetadas.

Para problemas de pele, como eczemas, feridas e inflamações cutâneas, o assa-peixe exerce ação muito eficiente. Se a pessoa tem algum tipo de dermatite (inflamação de pele), como de contato ou atópica, o assa-peixe pode ser utilizado.

Vários estudos demonstram a utilidade do assa-peixe no controle de gastrites e úlceras gástricas. Ele é um protetor estomacal. A Unicamp encontrou no assa-peixe uma substância chamada lupeol, que evita inflamações estomacais e formação de úlceras gástricas.

Controle da pressão arterial

O consumo frequente do chá de assa-peixe regula a hipertensão arterial. Ele é um ótimo hipertensivo pois é vasorrelaxante – relaxa os vasos sanguíneos e permite o fluxo sanguíneo com menor pressão.

A Unicamp fez um teste e constatou que o assa-peixe, como na indicação popular, aumenta a diurese (produção de urina) e a eliminação de sais pela urina, o que ajuda no controle da hipertensão arterial.

Eliminação e prevenção de pedras nos rins

Não existem trabalhos científicos que demonstram a ação do assa-peixe na eliminação de pedras nos rins. Porém, como diurético, ele evita a agregação de cristais nos rins e na bexiga, assim os cristais são eliminados com mais rapidez, e reduz significativamente a formação de pedras nos rins.

Tratamento da leishmaniose

A leishmaniose é uma doença causada por um parasita que entra no organismo por meio de um pernilongo, o mosquito palha, que injeta as larvas desse parasita na corrente sanguínea. Existe a leishmaniose cutânea, que forma feridas na pele, e a visceral, que “come” os órgãos. Em ambos casos é uma doença difícil de combater.

Testado contra a leishmania amazonense, o extrato de assa-peixe foi eficiente em eliminar a leishmania. Quem sofre de leishmaniose pode utilizar chá do assa-peixe, e para feridas, pode-se fazer a compressa.

Ação antibiótica

Existem vários artigos relatando a ação antibiótica do assa-peixe, que foi testado em laboratório contra dezenas de tipos de bactérias. Quem sofre de infecção bacteriana na garganta, no ouvido, no estômago, no intestino, na pele, etc., pode utilizar como antibiótico qualquer preparação feita com assa-peixe, como o chá, a tintura ou o pó, obtendo excelentes resultados combatendo as bactérias.

PUBLICIDADE