Alopecia infantil

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Alopecia em crianças

Diferença entre alopecia areata e micose no couro cabeludo

Uma das principais causas de queda de cabelo em crianças é a alopecia areata, que resulta em áreas calvas bastante delimitadas, arredondadas, deixando o couro cabeludo liso nessas regiões, sem cabelos.

hairloss-blocker-recupera-88-cabelo

Ela pode acometer pessoas em todas as faixas etárias, é frequente em crianças, e muitas vezes confundida com micose no couro cabeludo – outra causa de perda capilar, não habitual em adultos, mas comum em crianças. Nesta, geralmente nas áreas em que o cabelo cai, o couro cabeludo fica avermelhado, com crostas, descama e o cabelo quebra, diferente da areata.

Remédios para Queda de Cabelo: Ranking do Consumidor

 PRODUTONOTA MÉDIAVOTOSREVIEW
#1HairLoss Blocker8,91/10581btn-saiba-mais
#2Minoxidil7,74/101023btn-saiba-mais
#3Finasterida7,25/101084btn-saiba-mais

Quando se suspeita de micose no couro cabeludo, o ideal é fazer um exame em que são colhidas as escamas do couro cabeludo e os cabelos, e examinados em microscópio, assim identifica-se o fungo. Resolve-se o problema em definitivo com antifúngicos de administração via oral.

Tricotilomania

Esse não é um problema capilar, mas um transtorno psiquiátrico que pode acometer adultos, mas é mais frequente em crianças, que tem compulsão por arrancar os cabelos, muitas vezes fazem isso escondido, e assim surgem áreas com rarefação capilar no couro cabeludo. Uma vez identificada essa compulsão, ela deve ser tratada, tanto por psiquiatras como psicólogos.

PUBLICIDADE


Eflúvio telógeno

Nele ocorre uma queda difusa dos cabelos, e diferente das situações acima mencionadas, não afeta áreas com limites bem demarcados, além de geralmente ser secundário a algum problema de saúde, por exemplo, um quadro infeccioso, como dengue, ou ocorrer após cirurgias de grande porte, distúrbios nutricionais ou hormonais. Nessas situações é importante identificar as causas de base da queda capilar e tratá-las de maneira adequada.

Artigo anteriorAlopecia frontal fibrosante: causas
Próximo artigoCalvície: características
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).