Alimentação espinhas

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Tratamento medicamentoso aliado a uma boa dieta

A acne pode provir de desequilíbrios hormonais e, nesses casos, os medicamentos são importantes, mas uma dieta adequada ajuda a diminuir as lesões e reduz as manchas e marcas na pele.

Nutrientes para prevenir a acne

Os nutrientes diretamente implicados no tratamento e na prevenção da acne são as vitaminas A, B5, B6, C, D e E e cobre, selênio e zinco.

Alimentos ricos em carboidratos

O indivíduo com acne não deve ingerir açúcar, e não apenas o utilizado no café, por exemplo, mas o dos carboidratos em geral, presente no macarrão, sorvete, pão francês, na geleia, etc. É necessário substituir esses alimentos por versões menos processadas, com farinhas integrais.

Leite de vaca

Deve-se diminuir o consumo de leite de vaca que, em adolescentes, se relaciona à gênese e inflamação das espinhas. Troque-o pelo leite de arroz ou de aveia.

PUBLICIDADE


Iogurtes com bifidus ativos

Independentemente do local do surgimento da espinha (cabeça, rosto ou costas), internas e/ou doloridas, é importante o intestino estar funcionando regularmente. Para isso, uma boa pedida são os iogurtes, que contêm bifidus ativos.

Suplemento de ômega-3

Um suplemento natural eficaz para amenizar a intensidade inflamatória e dolorosa das espinhas, além de evitar marcas, são os compostos de ômega-3. Uma alternativa a eles são os peixes “gordos”, como bacalhau, atum e salmão, a consumir de três a quatro vezes por semana.

Chá de bardana para acne

Castanha-do-pará, alho, chá verde e atum são excelentes para quem deseja eliminar espinhas sem deixar a pele manchada ou marcada, contudo, se a acne tiver irrompido há pouco e houver um evento para se ir, pode-se aplicar chá de bardana, erva que resulta em ótimo tratamento caseiro, sobre a espinha para ela desaparecer, processo não tão rápido, mas efetivo. Pode-se também tomar esse chá, que, além de excelente cicatrizante, é diurético, o que deixa a pele mais bonita.

Influência da alimentação na saúde da pele

Alguns alimentos influenciam na pele, apesar de muita gente não acreditar nisso. Tudo que é ingerido tem repercussão no corpo. É um pouco complicado estabelecer exatamente quais alimentos influenciam em quais fatores, pois é difícil isolar somente o alimento em estudos científicos – as pessoas têm vários hábitos, fatores genéticos, fatores hormonais e até atos de higiene, então é muito difícil isolar a dieta.

São necessários muitos outros estudos para determinar os fatores exatos, mas as evidências apontam que algunos alimentos realmente pioram a pele.

Foi feito um estudo nos Estados Unidos em que adolescentes de uma aldeia esquimó, que moravam numa geleira e tinham uma alimentação a base de peixe e algas, em um lugar em que praticamente não existia acne, foram submetidos a uma dieta americana, consumindo fast-food e alimentos industrializados. Esses adolescentes ficaram com bastante acne, bastante muitas espinhas. Depois, retornaram para a aldeia de esquimós e voltaram para aquela a alimentação rica em peixes de águas frias, com bastante ômega 3, e suas peles melhoraram bastante. Esse estudo sugere esse fator importante da alimentação na acne.

Refrigerante

O refrigerante tem muito açúcar e alto índice glicêmico. A pessoa que tem uma predisposição de acne, consumindo esses alimentos, agrava o problema.

Saúde intestinal

Para ter uma boa saúde de pele e uma boa saúde de modo geral, é importante ter uma boa saúde intestinal. Má alimentação, como excesso de café ou de bebidas alcoólicas, pode aumentar a permeabilidade intestinal, alterando as estruturas do intestino e permitindo que macromoléculas e elementos tóxicos passem para a corrente sanguínea, agravando a acne. Às vezes, para ter um bom tratamento com a nutrição, é necessário tratar o intestino, pois o intestino irá absorver os nutrientes e não irá permitir que substancias que não são interessantes para a saúde sejam absorvidas.

Não é bom exagerar no café, deve-se manter um equilíbrio.

Alimentação saudável

Às vezes as pessoas acham que comem de modo saudável, como pão com queijo e peito de peru. Porém, o peito de peru é industrializado, o queijo é a base de leite. Em relação a biscoitos com o nome “fit”, deve-se tomar cuidado pois existe uma publicidade incentivando o consumo desses produtos. A ANVISA proibiu o uso abusivo de publicidade falando que o alimento é FIT ou DETOX. É sempre importante verificar o rótulo ou a embalagem.

O mel é prebiótico. Em exagero, faz mal, mas em uma quantidade certa é bom para o intestino e para a pele.

Acompanhamento médico

É importante ter o acompanhamento de um médico e de um dermatologista e não deixar agravar o quadro de acne, pois a pessoa pode, futuramente, ter cicatrizes que são difíceis de tratar. É importante ter um tratamento completo. Às vezes a pessoa acha que a dieta resolverá o problema, mas não é tão simples quanto se imagina. Não é só melhorar a alimentação durante três dias e achar que vai melhorar o quadro de acne, é necessário ter um bom padrão alimenta, até porque leva muito tempo para o corpo se acostumar. Às vezes a pessoa não consegue fazer isso e precisa da ajuda de outros profissionais. Se está aparecendo acne, alguma coisa não está boa, então já começa pela alimentação.

Duração do tratamento

Geralmente, a pessoa que procura um nutricionista é aquela pessoa que já se alimenta muito mal e está acima do peso, quer emagrecer e acaba melhorando o aspecto da pele também.

O tratamento nutricional demora um tempo, é necessário ter muita dedicação e fazer tudo corretamente para observar resultados. A mesma coisa com o tratamento com um dermatologista. Às vezes um adolescente faz o tratamento uma ou duas semanas, não percebe o resultado e desiste. Deve-se seguir a orientação profissional adequadamente para conseguir encontrar algum benefício.

Artigo anteriorComo acabar com as espinhas
Próximo artigoComo evitar espinhas
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).