Ácido hialurônico na odontologia

Ácido hialurônico: função

O ácido hialurônico, naturalmente produzido pelo corpo, também pode ser sintetizado em laboratório. Ele preenche as células tanto no espaço intra como intercelular e, usado nas camadas inferiores da pele com deficiência de tecido, faz com que a camada intermediária se eleve, fique mais plana e remova as rugas.

PUBLICIDADE


Ácido hialurônico na odontologia estética

Assim como o Botox, de 2013 para cá, pela Lei 12.842 (conhecida como Ato Médico) e pela resolução do CFO de 2014, o ácido hialurônico vem sendo utilizado em Odontologia para tratar tanto problemas estéticos – para conferir volume, formato e tamanho do lábio – quanto funcionais, como má articulação temporomandibular. Pode-se fazer uma viscossuplementação para melhorar a hidratação e a lubrificação da ATM de pacientes.

Problemas estéticos associados à perda de volume atingem pessoas que, por algum motivo, perderam um ou mais dentes. A reabsorção de tecido diminui o volume do tecido ósseo, da gengiva e dos dentes, que dá suporte para os lábios e, assim, quem utiliza próteses pode sentir falta de sustentação labial, o que faz murchar a boca.

Quando for impossível dar alicerce de forma natural, a fim de restabelecer a harmonia do sorriso, utiliza-se ácido hialurônico para preencher alguns sulcos, delimitar melhor o contorno do lábio e devolver volume a algumas áreas em que não foi possível recriá-lo com prótese.

Ácido hialurônico na micro estética

Utiliza-se também ácido hialurônico nas papilas. A gengiva contorna circularmente os dentes, porém, entre um e outro, o indivíduo pode não exibir a ponta rosa da papila. Assim, quando ele sorri, alguns dentes aparecem com gengiva e outros, não.

PUBLICIDADE


Para aumentar a gengiva, é possível fazer um enxerto. Como às vezes há limitações para isso, preencher a região gengival com ácido hialurônico propicia ganho de milímetros de papila, não obtido com reabilitação oral.

Artigo anteriorÁcido hialurônico
Próximo artigoÁcido hialurônico: olheiras
CRM: 91128. Doutorado em Dermatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2009-2012). Mestrado em Dermatologia Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal de São Paulo (2001-2006). Residência médica em Dermatologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (1998-2001). Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1992-1997). Pós-Doutorado em pesquisa em dermatologia pela Emory University School of Medicine, Atlanta, GA, EUA. Professor-assistente de dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes (2005-2006). Médico-assistente do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2006-2012). Médico chefe do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2012-2014). Coordenador do programa de residência médica em Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019-2012). Coordenador de todos os programas de aperfeiçoamento/especialização médicos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2011-2014).