Abdominoplastia

Atualizado em:

PUBLICIDADE


Constituição do abdômen

O abdômen constitui-se de várias camadas, entre as quais a mais externa é a pele, seguida de formações de gordura. Logo abaixo, situa-se a aponeurose (espécie de tendão do músculo, de coloração branca), depois a musculatura, que, de acordo com a região, pode ser um único músculo ou vários. Por último, há uma membrana chamada peritônio, responsável por isolar da musculatura os órgãos externos.

O que é abdominoplastia

A abdominoplastia é a cirurgia pela qual se corrigem abundância de pele ou de gordura no abdômen.

Tipos de cirurgia do abdômen

Há diferentes tipos de plástica abdominal. A clássica, mais conhecida pelo grande público, caracteriza-se por uma incisão um pouco maior que a de uma cesariana para retirar pele e gordura abaixo do umbigo.

Na miniabdominoplastia, o corte e a remoção de tecido são menores do que na abdominoplastia e ainda assim a incisão é pouco maior do que a de uma cesariana. Outra diferença é que, nesta, se mantém o umbigo da paciente, e sem cicatriz ao redor.

PUBLICIDADE


A lipoabdominoplastia é uma abdominoplastia antecedida de lipoaspiração, quando se recomenda não aspirar as laterais, já que o sangue oriundo dessas regiões alimenta e melhora a cicatrização. Isso evita também o acúmulo de líquido no pós-operatório.

Há também cirurgias plásticas modificadas, como, por exemplo, a abdominoplastia ampliada (ou em âncora), em que se faz, além do corte horizontal abaixo do umbigo, um vertical na barriga. Esse procedimento é frequente em pessoas que passaram por cirurgia bariátrica ou perderam mais de 50 kg.

Procedimentos cirúrgicos da abdominoplastia

Faz-se uma incisão que, pouco maior que a da cesariana, pode chegar à crista ilíaca. Em seguida, separa-se a pele da musculatura, que passa pela plicatura (amarração), e removem-se os excessos de gordura e de pele (normalmente toda a situada entre o umbigo e o osso do púbis). Depois, fazem-se os pontos, esticando-se a pele restante, para ela alcançar o púbis, o que faz a barriga ficar chapada.

Pode-se, ao final da cirurgia, ou durante, mimetizar um umbigo, sem deixar cicatriz, por uma amarração interna da pele na musculatura.

Também é possível criar saliências que imitem a musculatura abdominal provocada por atividade física intensa, isso após se retirar o exagero de pele, quando se dão pontos internos e, com eles, se aumentam ou diminuem determinadas áreas. Nos pontos finais, esculpe-se o contorno da lateral, que define a cintura e a musculatura oblíqua.

Abdominoplastia e musculatura

O cirurgião avalia o indivíduo e define o procedimento mais adequado para a condição dele. Em geral, todos os métodos abrangem a plicatura da musculatura, para modelar a cintura e corrigir a musculatura, aberta por gestação ou por ganho exagerado de peso.

O que a abdominoplastia proporciona ao paciente

Muitos pacientes procuram a abdominoplastia para melhorar a silhueta. Outros benefícios são a correção da fraqueza muscular, a facilitação do emagrecimento e da prática de atividades físicas, já que, sem uma camada de gordura ou de pele, uma pessoa se sente mais disposta e motivada para, por exemplo, frequentar academias. Outra vantagem é a melhora da autoestima.

Quando a abdominoplastia é indicada

Em geral, recomenda-se essa cirurgia para quem tem estrias, excesso de pele ou de gordura, muito comuns após gestação, mas, se o caso se ativer apenas ao último item, basta uma lipoaspiração.

Só se removem estrias localizadas entre o umbigo e o púbis; as que estiverem acima permanecem.

Durante a gravidez, a pele estica-se e, após o parto, sobra. Mesmo com exercícios físicos, como a musculação, é natural permanecerem resquícios de pele.

Para homens costumeiramente se indica abdominoplastia por ganho de peso e posterior emagrecimento, o que origina dobras na pele.

Alterações provocadas pela gestação

A gestação promove alterações em todo o corpo, principalmente no que se refere a ganho de peso e distribuição de gordura. Assim, por exemplo, uma mulher, que comumente tem concentração de tecido adiposo nos quadris, durante a gravidez pode acumulá-lo mais no abdômen. Então, além de abundância de pele, ela terá também de gordura nessa região. Ademais, após a gestação, a musculatura abdominal enfraquece: os músculos distanciam-se e alargam a cintura. Reaproximá-los é possível apenas por intervenção cirúrgica.

Concentração de tecido adiposo no abdômen

O corpo humano tem dois padrões de distribuição de gordura. O masculino (chamado popularmente como forma de maçã) acomete principalmente o abdômen e algumas mulheres também ostentam, caso em que têm mamas maiores. O feminino, semelhante à pera, ocorre em mulheres de mamas pequenas, cintura fina ou moderada, coxas grossas e bumbum grande, com concentração de gordura nos quadris, mas igualmente se pode observar em alguns homens. Também há quem exiba um pouco de cada um desses padrões.

Em geral, as maiores queixas das mulheres relacionam-se às mamas. No que concerne ao abdômen, referem-se ao acúmulo de gordura nas laterais (os famosos pneus) e abaixo do umbigo.

Alterações sofridas pela parede abdominal ao longo da vida

Desde o nascimento, o corpo passa por transformações que a parede abdominal acompanha e, à medida que se envelhece, a musculatura, inclusive a do abdômen, vai enfraquecendo e resulta em flacidez. Muitos, nessa situação, acham que têm estômago alto, mas o que sucede é que os músculos não conseguem mais segurar o estômago.

Exames que antecedem a cirurgia

Os exames necessários para a cirurgia baseiam-se no quadro clínico do indivíduo. De forma geral, para jovens requisitam-se exames de sangue simples e, eventualmente, de urina. Os mais velhos fazem ainda radiografias do tórax e eletrocardiograma, além de precisarem de avaliação cardiológica. Se a pessoa tem uma doença específica, passará por apreciação pertinente a ela. Fumantes e diabéticos devem ter cuidados maiores.

Pré-operatório

O paciente, que deve informar ao cirurgião os medicamentos de que faz uso, pode ter alguns suspensos, como os anticoagulantes, o AAS, por exemplo. Nos dias que antecedem a cirurgia, não se consomem bebidas alcoólicas nem se fuma. Comunique ao médico qualquer gripe ou indisposição. Oito horas de jejum é o necessário para a efetividade da anestesia. As complicações nessa operação são raras.

Tipos de anestesia

Não há anestesia específica para cirurgias plásticas do abdômen. Ela pode ser geral, raquidiana ou peridural, cada qual com suas vantagens e desvantagens.

Pós-operatório

Os cuidados no pós-operatório de qualquer cirurgia plástica são tão importantes quanto o procedimento. É usual pacientes temerem ter dor, no entanto o corte, por ser maior, promove certa perda de sensibilidade nos primeiros dias, o que implica ausência de dor e, em razão disso, alguns fazem movimentos que não deveriam. Por isso, recomenda-se repouso.

Na abdominoplastia, utiliza-se dreno, geralmente colocado durante a cirurgia e removido no dia seguinte para o paciente ir para casa sem ele, entretanto o tempo de uso é diferente de pessoa para pessoa. Ademais, a internação para esta cirurgia é de um dia.

Após a cirurgia, alguns andam meio curvados por receio de retesar e arrebentar a pele, contudo a recomendação dos médicos é o meio-termo, ou seja, não ficar nem muito encurvado nem numa posição em que ela se estique muito, além de lhe ser confortável.

Abdominoplastia e emagrecimento

A cirurgia plástica do abdômen visa principalmente ao aperfeiçoamento do contorno corporal. A parcela de tecido que se removerá varia. Em alguns, pequena quantidade proporciona contorno excelente, já que, nesses casos, sobra muita pele. Em contrapartida, há situações em que, mesmo que se tire muito, o contorno não fica bom, porque o indivíduo está acima do peso ou a distribuição de gordura dele não é a ideal. O dado mais importante não é quanto se elimina, e sim quanto permaneceu no paciente. O excesso de gordura na região do estômago também se trata tanto na lipoabdominoplastia quanto na abdominoplastia tradicional.

Abdominoplastia e outras cirurgias

É comum que se realize a abdominoplastia concomitantemente com a cirurgia das mamas (de redução ou implante de prótese). Em contrapartida, intervenções não estéticas simultâneas a plásticas não se aconselham. Por exemplo, há mulheres que desejam passar por histerectomia (remoção do útero) ao mesmo momento em que por uma cirurgia estética. A possibilidade disso depende de rigorosa avaliação das condições da paciente.

Abdominoplastia ou lipoaspiração

O médico define o procedimento mais indicado para o paciente. O que determina a escolha por lipoaspiração ou abdominoplastia é o grau de flacidez da pele e o quanto ela se pode esticar.

Abdominoplastia e operação cesariana

Não se recomenda abdominoplastia junto com cesariana, após cujo processo de cicatrização, depois de seis meses, já é possível, mas seria importante a mãe esperar, para isso, por volta de um ano após dar à luz, quando o bebê está um pouco menos dependente dela.

Cicatriz

O tamanho da cicatriz dependerá das dimensões do corte e da quantidade de tecido extraído. É possível, embora não habitual, que, no início do pós-operatório, haja perda de líquido por meio da cicatriz e o paciente precise ser avaliado pelo médico.

A cor e a textura da pele influenciam na cicatrização. De acordo com o cirurgião, a pele poderá ser esticada pouco mais ou menos. Por exemplo, podem-se distender mais peles flácidas, que isso não ocasionará problemas na cicatriz, porém devem-se estirar menos as mais grossas para evitar que o paciente adquira cicatriz hipertrófica ou queloide, apesar de haver uma série de tratamentos para preveni-la e tratá-la.

Cuidados que se tomam para melhor cicatrização englobam tanto o processo operatório, pela feitura de pontos que ligam a pele e a musculatura e assim diminuem a tensão no corte, como o pós-operatório, pelo uso de cola cirúrgica e de cinta modeladora, repouso adequado, acompanhamento e hidratação com cremes e pomadas indicados para cada etapa.

Atividades físicas e retorno ao trabalho

Para atividades leves, como caminhadas menos acentuadas, deve-se aguardar, no mínimo, de sete a quinze dias. Para esforços moderados, é necessário resguardo de trinta dias. A prática de exercícios em áreas do corpo não implicadas na cirurgia, como braços e pernas, pode-se fazer depois de trinta dias. Já, para exercícios físicos intensos que abranjam o abdômen, o tempo é de três meses.

O que é ceroma

Chamava-se ceroma à complicação mais comum da plástica do abdômen, referida por alguns cirurgiões até mesmo como consequência do procedimento. Tratava-se do acúmulo de líquido entre a parede abdominal e a pele imediatamente acima, em razão de se soltar a pele da musculatura e criar-se um espaço. Hoje se sabe que, ao ligar as duas por pontos, se impede a formação desses espaços e, portanto, do ceroma.

Outros cuidados no pós-operatório

Se não se utilizar cola cirúrgica, não se deve molhar a cicatriz nos primeiros dias após a cirurgia. Por outro lado, quando sim, é possível banhar-se no dia seguinte e esse método promove também melhor cicatrização. Aconselha-se não exposição solar, principalmente da cicatriz, que poderá escurecer. Por causa da leve perda de sensibilidade na região do corte, ainda se deve tomar cuidado com altas temperaturas e não se aproximar-se demasiadamente do fogão.

Drenagem linfática e abdominoplastia

O principal objetivo da drenagem linfática é evitar acúmulo de líquidos no pós-operatório de qualquer cirurgia, em especial da plástica do abdômen, em que já há maior propensão para isso. Antes, quando da formação de ceroma, fazia-se drenagem linfática durante quatorze dias após a operação; agora, é procedimento complementar e, por vezes, dispensável.

Perda de peso e comprometimento da cirurgia

Alterações de 5 a 7% do peso prévio do paciente podem comprometer os resultados da cirurgia. Por exemplo, se, antes dela, o paciente tinha 60 kg, é fundamental ele não perder mais de três após a cirurgia.

Resultado definitivo

Os efeitos da plástica de abdômen são tão imediatos quanto os da prótese de mama, porém definitivos, sem inchaço e cicatrizados, só em torno de seis meses após a intervenção.

Riscos

O maior risco da abdominoplastia não é hemorragia nem infecção, mas formação de coágulos nas pernas, o que pode ocorrer porque, quando o corpo sangra, o cérebro libera, na circulação, fatores que causam coagulação, o que é excelente para a cirurgia, já que se consegue operar sem sangrar muito, mas é preciso prevenir coágulos e, para isso, há duas terapêuticas: anticoagulantes, administrados por injeções ao longo de alguns dias, ou botas de compressão pneumática.

Abdominoplastia e “barriga de cerveja”

Diferentemente das mulheres, os homens concentram muita gordura intra-abdominal, o que não se soluciona nem com lipoaspiração, nem com abdominoplastia. A primeira remove só o excesso de gordura. Se o paciente está acima do peso e tem gordura localizada, essa intervenção afinará o abdômen e, se houver sobra de pele, ela será retirada com a gordura do abdômen inferior, mas a intra-abdominal não se altera com essa cirurgia. Para resultado melhor, esse paciente deve controlar a alimentação e praticar exercícios físicos.

Tempo de cirurgia

Uma cirurgia de abdômen dura em média duas horas, de acordo com o tamanho e as características do abdômen, mas, num paciente com abdômen em avental, com grandes excessos ou sangramento intenso, pode estender-se a quatro.

Quantos centímetros da circunferência da cintura a cirurgia plástica de abdômen pode reduzir?

As mudanças de medidas em uma cirurgia de contorno corporal, como a abdominoplastia e a lipoescultura, são individuais e podem-se prever no pré-operatório. Por exemplo, pessoas com mais excesso de gordura nos flancos terão maior redução delas. O mesmo vale para quem tem grande diástase, isto é, afastamento dos músculos do abdômen.

Cirurgia plástica fora de centros referenciais

Muitos pacientes desejam passar por plástica apenas em centros referenciais, como São Paulo, por temerem não encontrar profissionais e equipamentos de alta qualidade em municípios interioranos ou capitais menos abastadas, mas, em Sinop-MT, por exemplo, o centro cirúrgico hospitalar conta com aparelhos e dispositivos similares aos encontrados nas grandes metrópoles brasileiras, senão mais modernos. Também é notável, naquele município, a qualificação de profissionais, como anestesistas, o que demonstra que não é necessário deslocar-se para grandes cidades para tais intervenções.

Lipomioescultura e o “tanquinho”

Entre as demandas dos pacientes que se submetem a plásticas abdominais, é recorrente o desejo de ter abdômen definido. A lipomioescultura esculpe-o e mimetiza uma musculatura trabalhada em academia. Por esta técnica, diminui-se a camada de gordura para o abdômen ficar mais reto e, no centro, acima do umbigo, cria-se uma concavidade vertical que reproduz aquela aparência.

Realização de múltiplos procedimentos cirúrgicos

É corriqueiro os pacientes quererem passar por diversos procedimentos cirúrgicos simultaneamente para aproveitar uma única internação, porém essa prática não é aconselhada nem pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, nem pelo Conselho Nacional de Medicina.

Intervenções no abdômen e nas mamas concomitantemente, por exemplo, permitem-se ao paciente em boas condições de saúde, contudo, se se associarem mais procedimentos aos citados, como lipoaspiração, aumentam-se as possibilidades de complicações, entre as quais abertura de pontos e má cicatrização, portanto há limite para isso.

Onde a cirurgia é realizada

A cirurgia realiza-se em hospital, onde a maioria pernoita, mesmo que se possa receber alta no mesmo dia, se não se associar a ela outro procedimento.

Contribuição brasileira aos procedimentos de cirurgia de abdômen

A plástica de abdômen é possivelmente o procedimento que mais se beneficiou da contribuição do conhecimento de médicos brasileiros. Ultimamente, duas táticas de extrema importância incorporaram-se a ela.

A primeira é a lipoaspiração na própria parede abdominal, do que decorre melhor afinamento da região e, inclusive, curvas mais harmônicas, sem aumentar o grau de complicação cirúrgica.

A segunda técnica refere-se à confecção de inúmeros pontos internos, que visam a fixar a parede abdominal à musculatura, o que elimina por completo o uso do dreno e leva a uma sutura que não implica tensão. Por conseguinte, é superior ao de décadas atrás o efeito estético da cicatriz, inclusive a de umbigo, que, além de não alargar, depois de alguns meses se torna totalmente imperceptível. Isso possibilita à mulher voltar a utilizar trajes de banho sem constrangimento e frequentar praias, academias e piscinas.

A incisão em ponto mais baixo, vinculada à redução da tensão sobre a sutura, constitui cicatriz mais delicada e transforma essa cirurgia em excelente opção para quem tem flacidez.

Como escolher o profissional

No Brasil, mais de doze mil médicos atuam em campos para os quais não se qualificaram, portanto ilegalmente.

Procure saber se o seu cirurgião se especializou em cirurgia plástica no Brasil. Para isso, acesse o site da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e busque o nome dele para garantir que ele conhecimentos na área.

Artigo anteriorTricotilomania: como parar?
Próximo artigoAbdominoplastia com lipo
CRM: 130475. Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008). Residência médica em cirurgia plástica pelo Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (2014-2017). Residência médica em cirurgia geral pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (2008-2010). Pós-graduação em reconstrução mamária pelo Hospital Pérola Byington (2017-2018). Pós-graduação em dermatocosmiatria pela faculdade de Medicina do ABC Paulista FMABC (2017-2018). Especialização em Oxigenoterapia Hiperárica pela Sociedade Brasileira de Medicina Hiperbárica (2016).